quinta-feira, 2 de julho de 2009

A minha emoção na homenagem a Edivan Pinto

No sábado passado, estive em Apodi, cidade situada a 380 km de Natal. Fui participar de uma missa e de um ato em homenagem ao meu amigo Edivan Pinto, morto tragicamente há cerca de um mês. Viajei com o Deputado Fernando Mineiro e Assis, o simpático motorista do parlamentar petista. Uma viagem agradável e uma boa aula de política e de realidade brasileira.

No Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Apodi, local do ato, encontrei-me com velhos amigos, como Edilson Neto, presidente da entidade, e um dos fundadores do PT no município, Júnior da CPT e o Professor Evilazáro, dentre outros. Também encontrei-me com a família de Edivan. Sua filha, que vi pequena, é já uma moça e, pelo que me disse Mineiro, cursa agronomia na UFERSA.

Os velhos amigos de Apodi, sabedores da amizade que me unia a Edivan, pediram-me para falar. Fui até a frente, mas, traído pela emoção, não consegui articular discurso algum. Não me senti patético, porém. Pelo contrário, senti-me humano e em contato com o que de mais humano em cada um de nós ao me derramar em prantos pela memória do meu inesquecível amigo.

Voltando ao ato. Foi um evento bonito e emocionante. À altura de Edivan. O momento alto foi a fala de uma trabalhadora rural, Dona Francine, que, com emoção, mas com muita firmeza, recitou uma longa e linda poesia em homenagem ao grande articulador dos movimentos de trabalhadores rurais no semi-árido que foi Edivan Pinto.

Aqui, no Aeroporto de Brasília onde me encontro, revivo as emoções da manhã de sábado em Apodi. Meus olhos marejam e eu peço uma nova cerveja para fazer descer o nó que estrangula a minha garganta.

Um comentário:

Emanuelle disse...

Sábado completará três meses da morte de meu tio, e ainda espero que esse nó em minha garganta também se desfaça!
Vejo o sofrimento diário de minha Tia Dária, isso nos consome por dentro, mas Deus tem nos dado força... O que nos coloca pra cima são essas homenagens, saber que ele esteve entre nós e deixou belas marcas. Me deu um primo maravilhoso, um menino de ouro, como diz tia Dária "uma pedra preciosa", tenho certeza que assim como o pai, nos dará orgulho e sempre pensará no próximo!
Que Deus continue confortando a todos nós!