terça-feira, 31 de março de 2009

A perda de sentido do "mundo da educação"

Reduzido a mais uma, dentre várias outras (e, certamente, muitas delas mais atrativas), dimensões do mundo social, o "mundo da educação" vai perdendo, mais e mais, o seu "sentido". Os que estão "dentro", professores e alunos, sentem-se, não raramente, como habitantes de uma ilha flutuante que distancia-se a cada dia um puco mais do "mundo da vida" do continente. Você também tem essa, digamos, sensação? (eu quase escrevia, por cacoete, "análise"). Confira, então, a matéria abaixo, publicada no blog francês Rue 88.

La fin du "Monde de l'éducation" : la pédagogie n'intéresse pas les profs
Nestor Romero


Mobilisé depuis quelque temps sur un autre « front » que celui de l'éducation (70e anniversaire de la « retirada », la fin de la guerre d'Espagne), voici que s'impose à moi la nécessité de faire un état des lieux après une si longue absence.

Première constatation qui, sauf erreur ou inadvertance, a été fort peu commentée : la disparition du « Monde de l'éducation » réduit à n'être plus qu'un supplément au quotidien.
Ce n'est pas là une simple péripétie économico-médiatique mais un événement extrêmement significatif dans... le monde de l'éducation.


A cette nouvelle, en effet, m'est immédiatement venu à l'esprit le souvenir de ces dernières années d'activité, comme on dit (comme s' il n'y avait plus rien après) dans ce collège dit difficile au pied de Belleville, où j'ai vécu de bien belles années avec des élèves remuants et quelques enseignants amicaux.

« De toute façon, tu es le seul à le lire »

Le collège, comme tous les établissements ou presque, était abonné au « Monde de l'éducation » et la documentaliste (salut Françoise), dès qu'elle le recevait venait me le remettre ou le déposer dans mon casier salle des profs. « De toute façon », disait-elle, « tu es le seul à le lire », alors...
Alors c'est fini, ou presque. Je tenais ce mensuel pour ce qui se faisait de mieux en matière d'éducation et pas seulement en France.


J'y ai beaucoup puisé dans des dossiers extrêmement fouillés et clairement présentés, dans des reportages sur les écoles différentes et les expériences innovantes, dans les entretiens avec des personnalités multiples et passionnantes.Pour tout cela je tiens à saluer Brigitte Pérucca et toute l'équipe (je ne peux tous(tes) les citer, ils sont donc tous là) qui pendant des années m'a accompagné et stimulé. Salut.

Le constat cependant demeure : fort peu d'enseignants fréquentaient « Le Monde de l'Education » comme ils sont fort peu nombreux, relativement à leur nombre, ceux qui fréquentent publications et sites traitant de pédagogie.

Peu de professeurs s'intéressent à la pédagogie

Comment se fait-il ? Fort simplement : ils sont peu nombreux les enseignants qui s'intéressent à la pédagogie.

La pédagogie c'est-à-dire, précisons, le mode de vie dans l'école et non comme il est trop souvent compris la liste des « recettes », des « kits » pour « tenir sa classe » et des « ruses » manipulatrices (Sciences humaines, n° 203, avril 2009), car il semble que l'on en soit là.
Mais alors pourquoi ? Tout simplement parce que l'on n'enseigne pas la pédagogie dans les IUFM. Sauf exception.


On y fait des choses qui ressemblent à de la didactique, on se demande comment « faire passer » telle ou telle notion et l'on se heurte alors au préalable que les plus délurés des apprentis-enseignants ne manquent pas de poser : encore faut-il être en mesure de « faire passer » et pour cela de « tenir sa classe », de sorte que l'on en revient aux recettes, aux kits et aux ruses.
Et l'on continue à ne pas faire de pédagogie, c'est-à-dire à penser la manière de construire dans l'école un mode de vie qui permette et favorise l'acquisition de connaissances et de savoirs. Mais alors pourquoi, une fois encore ? Tout simplement parce que, par essence même, la pédagogie est révolutionnaire.


La pédagogie risque trop de bouleverser leur train-train quotidien

La pédagogie, en effet, est cette démarche qui se donne pour mission d'accompagner, de faciliter et de permettre l'accès d'un être déterminé à son émancipation c'est-à-dire à sa libération de déterminations impératives.

Ce n'est pas, ce ne peut être en aucun cas, la manière de produire une main-d'oeuvre adaptée à on ne sait trop quels « besoins ». Cela c'est de la formation qui ne doit venir que bien plus tard quand l'être apprenant est en mesure, autant que faire se peut, de choisir ce que sera son proche avenir.

Son proche avenir et non sa vie, toute sa vie, car on a aussi le droit de se tromper, de changer, de tâtonner comme le font si bien nombre de ceux qui fréquentent « l'école des riches » et qui de ce fait ont le temps de voir venir et de choisir en connaissance de cause, de leur cause.

Les enseignants dans leur grande majorité ne s'intéressent pas à la pédagogie parce que, en outre, la pédagogie révolutionnant le mode de vie dans l'école, révolutionnerait leur quotidien, leur propre mode de vie. Ils préfèrent ignorer et ne pas lire « Le Monde de l'Education ».

Et ils ont tort car les enseignants peuvent tout, peuvent particulièrement oeuvrer en compagnie de parents (comme le font certains aujourd'hui, je le sais bien) à ce que les enfants les plus démunis accèdent eux aussi à la possibilité de choisir leur vie.

Ils peuvent tout à condition qu'ils consentent à s'extirper de la routine, des heures se succédant, insipides, des cours rabâchés, des paquets interminables de copies pour entrer enfin dans la vie vraie, qui, à l'école, est toute dans la pédagogie.

L'état des lieux se poursuivra prochainement.

Vídeo sobre a crise.

O vídeo abaixo está em espanhol. Faça um esforço e assista! Veja como é possível fazer uma crítica criativa usando material audiovisual.


Crescimento dos religiosos nas forças armadas de Israel


Qualquer análise prospectiva sobre o futuro do Oriente Médio deve levar em conta uma análise do peso dos grupos e partidos religiosos. Tanto entre os palestinos quanto em Israel. Matéria publicada hoje no jornal El País fornece elementos importantes para essa reflexão. Confira abaixo!

Ardor religioso en el Ejército israelí
Colonos y ultraortodoxos se hacen fuertes en las Fuerzas Armadas debido a su celo patriótico y al creciente número de jóvenes que eluden la llamada a filas
JUAN MIGUEL MUÑOZ - Jerusalén - 31/03/2009

Eran un centenar de soldados. Abandonaron la sala en el instante en que una joven colega de armas se aupó al escenario. La Halaja, ley judía, prohíbe escuchar el canto de una mujer. Sucedió a comienzos de marzo. La próxima semana se inaugura en una base militar del desierto del Negev un hotel para oficiales casados, sus familias creyentes y rabinos. La penetración de la extrema derecha religiosa (alimento de los colonos, que consideran Cisjordania y Gaza tierra otorgada por Dios a los judíos) y la influencia de los rabinos sionistas en el Ejército israelí son imparables. Imbuidos de una ideología mesiánica se hacen fuertes al compás de la creciente evasión al llamamiento a filas y de la necesidad de reclutar jóvenes motivados

Es una tendencia que tendrá consecuencias en el hipotético supuesto de que se alcanzara un acuerdo de paz con los palestinos. ¿Quién evacuaría a los colonos de Cisjordania? Ya han surgido brotes de desobediencia. En un desalojo en Hebrón, en agosto de 2007, 12 de los 40 uniformados que debían tomar parte se negaron a cumplir órdenes. En la evacuación de colonos de una casa en esa ciudad, en diciembre, fue la policía de fronteras quien se encargó de la operación.
Los laicos ashkenazis -judíos procedentes de Europa- formaron la espina dorsal del Tsahal durante 30 años. Apenas se veían kipás en las coronillas de los uniformados. Pero el Estado fundado sobre bases socialistas dejó paso al liberalismo, y el cambio en el Ejército se acomodó a la transformación social.

Los laicos ashkenazis -judíos procedentes de Europa- formaron la espina dorsal del Tsahal durante 30 años. Apenas se veían kipás en las coronillas de los uniformados. Pero el Estado fundado sobre bases socialistas dejó paso al liberalismo, y el cambio en el Ejército se acomodó a la transformación social.

Colisión de jerarquías

Ni siquiera los especialistas pueden aportar cifras precisas sobre la composición del Ejército. Son datos secretos. Pero sólo hay que observar cualquier grupo de soldados que pululan por las calles para comprobar que los creyentes abundan. En las unidades de combate, con presencia permanente en la Cisjordania ocupada, son cada día más potentes.

Yagil Levy, profesor de Ciencias Políticas de la Universidad Abierta de Israel, asegura: "Al menos el 10% de los soldados de estas unidades proceden de las mechinot [academias militares con un 50% de graduados creyentes] y las hesder yeshivas [las 45 escuelas que combinan los estudios talmúdicos con el servicio militar]". "Hay muchos más religiosos aparte de ese 10%, pero éstos son los más organizados, y mantienen vínculos con los rabinos que han puesto sus pies en el Ejército, lo que fomenta una colisión entre la jerarquía religiosa y la militar".

Hubo planes", agrega, "para dispersarlos, pero los rabinos se opusieron. Amenazaron con convertir a estos soldados en ultraortodoxos", un sector exento del servicio si demuestra que estudia en una escuela religiosa, aunque también existen unidades especiales para ellos.
Por primera vez el rabino jefe del Ejército, Avichai Rontzki, es un colono. "El Ejército", añade Levy, "nunca bloqueó a los religiosos, pero hasta los años ochenta, los rabinos creían que en las unidades de combate, que pueden pasar tres semanas en Cisjordania o en el Golán, los jóvenes creyentes se podían ver expuestos a experiencias seculares. Ésta no era la atmósfera adecuada para un observante". Hoy es diferente.

Antes de la guerra de Yom Kipur, en 1973, la evacuación de los territorios ocupados no estaba en la agenda. Ahora tienen una misión ideológica: proteger Eretz Israel (Israel, Cisjordania y Gaza). En Cisjordania, los colonos forman las unidades de reservistas que protegen los asentamientos, y son buen número entre los soldados regulares de la brigada Kfir, desplegada en ese territorio. La distinción entre colonos y militares se difumina. Son, en gran medida, los encargados de las continuas redadas en Cisjordania, acompañadas a menudo de violencia gratuita contra los palestinos. Pero resultan imprescindibles, dado el creciente escaqueo de los jóvenes de clase media-alta, que ha crecido ya hasta el 5%: alegan enfermedades psicológicas.

"El Estado Mayor no hace casi nada. Cada vez se pueden ver más y más comandantes de batallón y de brigada que son religiosos", afirma el profesor. Motivación es la palabra clave. "El jefe del Estado Mayor, Gaby Ashkenazi, entiende muy bien que sin la gran motivación de los soldados religiosos, podemos cerrar la tienda", explica Levy.

Desde el Gobierno, el bombardeo sobre los peligros que se ciernen sobre Israel es cotidiano. Analistas y ex políticos discrepan. "La gente", afirma Levy, "se siente más segura, la sensación de amenaza se hunde y la necesidad de sacrificio decae. Estos procesos provocan un descenso en la motivación, y al mismo tiempo hay más motivación entre otros grupos: beduinos y drusos, ultraortodoxos y mujeres, que tienen más opciones de ingresar en unidades de combate. No es que el Ejército se haya vuelto más liberal, es que en los años noventa se dieron cuenta de que las necesitaban". Pero nadie gana en celo patriótico a los colonos en uniforme.

Los rabinos descienden al campo de batalla
Nunca había ocurrido hasta la guerra de Gaza. Los rabinos acompañaron a los soldados en el campo de batalla. Difundieron panfletos en los que se animaba a "no tener piedad con el enemigo". "Estamos siendo muy violentos", advirtieron mandos castrenses en plena operación. Los jefes religiosos se dirigían primordialmente a los militares laicos. "Querían difundir la idea de que se trataba de una misión religiosa. Normalmente, una operación militar es un acto racional. Ellos quieren teologizarla", sostiene el experto Yagil Levy.

La enorme potencia de fuego desatada en la franja por el Ejército israelí -"se empleó una política muy liberal, muy flexible a la hora de emplear la fuerza. No siempre el término liberal es positivo", sonríe el profesor- respondió también a otros factores.
En primer lugar, el Gobierno estaba muy preocupado por las bajas tras la segunda guerra de Líbano. "Si se producen muchas bajas entre los soldados, la campaña se termina", asegura Levy. A diferencia de la contienda de 2006, todo se planeó al detalle.

Incluso el momento de lanzar la guerra, cuando en los países occidentales se disfrutaban las vacaciones de Navidad. Y más importante: se buscó que la campaña militar gozara de gran legitimidad entre la población israelí. "Nunca", explica Levy, "ha sido tan documentado y expuesto en los medios el sufrimiento de los israelíes atacados por los árabes como fueron los lanzamientos de cohetes contra Sderot y las comunidades vecinas. Cuando había atentados terroristas se intentaba proyectar la imagen de que todo volvía a la normalidad rápidamente. En Sderot ha sido al contrario. Se ha mostrado el sufrimiento continuo, y eso unido a los sentimientos nacionalistas, a los postulados de los rabinos y a la convicción de que la misión era legítima, generó esa agresividad".

segunda-feira, 30 de março de 2009

Começa amanhã a Semana de Antropologia da UFRN

Amanhã, dia 31 de março, tem início a VIII Semana de Antropologia da UFRN. Confira abaixo a programação do evento.

VIII Semana de Antropologia, 31 de março a 03 de abril de 2009. UFRN.
"Corpo, Saúde e Sexualidade".
Informações e inscrições:
Secretaria do Departamento de Antropologia/CCHLA: (084) 3215-3547.
secant@cchla.ufrn.br
Endereço da home page: www.cchla.ufrn.br/semantr.
Horário: 8:00-12:00/14:00-18:00.

Dia 31 de Março de 2009.

Conferência de abertura - Corpo, sexualidade e cultura: o horizonte antropológico:
Prof. Dr. Luiz Fernando Dias Duarte (PPGAS/Museu Nacional/UFRJ).
Coordenação: Prof. Dr. Carlos Guilherme do Valle (DAN/PPGAS/UFRN)
Local Auditório B, 19:00 h.

Dia 01 de abril,

Mesa Redonda – Corpo, Sexualidade e Biomedicina:
Profa. Dra. Naara Luna (NUTES/UFRJ) – “Fabricação de embriões e acusações de infidelidade na reprodução sem sexo".
Profa. Dra. Jane Russo (IMS/UERJ) – “Medicalização da sexualidade:classificando pessoas e produzindo identidades”.
Coordenação: Prof. Dra. Eliane Tânia Freitas (DAN/PPGAS/UFRN)
Local Auditório B, CCHLA, 9:00 h..


Mesa Redonda – Antropologia e Sociologia da Saúde e da Doença:
Profa. Dra. Esther Jean Langdon (UFSC) – “O desafio da ética na pesquisa antropológica”.
Prof. Dr. Russel Parry Scott (UFPE) – “A construção epidemiológica do risco para mães adolescentes”.
Prof. Dr. Paulo César Alves (UFBA) – “Saúde, medicina e literatura. Uma perspectiva antropológica”.
Coordenação: Prof. Dra. Francisca Miller (DAN/PPGAS/UFRN)
Local Auditório B, CCHLA, 19:00.


Dia 02 de abril,

Sessão Coordenada de pesquisas I – alunos do PPGAS e de pós-graduação.
Coordenação: Gretel Echazú (PPGAS/UFRN) e Elisa Paiva de Almeida (PPGAS/UFRN)
Local: Auditório A, 9:00;

Mesa Redonda – Saúde Indígena.
Prof. Dr. Renato Athias (UFPE) – “Práticas Tradicionais de Cura entre os Pankararu de Pernambuco”.
Prof. Dra. Carla Costa Teixeira (UNB) – “Autonomia em saúde indígena: sobre o que estamos falando?”
Coordenação: Prof. Dr. Edmundo Pereira (DAN/PPGAS/UFRN)
Local Auditório B, CCHLA, 14:30 h.

Dia 03 de abril,

Sessão Coordenada de pesquisas II – alunos do PPGAS e de pós-graduação.
Coordenação: Gretel Echazú (PPGAS/UFRN) e Elisa Paiva de Almeida (PPGAS/UFRN)
Local: Auditório A, 9:00 h.

Exibição de Filme – “O Rebeliado”. Direção, argumento e roteiro de Bertrand Lira. Vídeo documentário, com 70 min de duração, captado em mini-DV, core e p&b.
Coordenação: Profa. Dra. Lisabete Coradini (UFRN) com a presença do Prof. Bertrand Lira (UFPB).
Sinopse: A história de vida de um ex-travesti: de uma infância miserável, marcada pelo trabalho semi-escravo e pela mendicância, à prostituição nas ruas da capital da Paraíba e sua conversão em pastor evangélico. Com a construção do seu próprio templo, ele realiza um trabalho assistencialista na comunidade pobre onde vive, além de se dedicar àquela que considera a sua missão maior: a de converter gays, lésbicas e travestis à heterossexualidade.
Local Auditório B, CCHLA. 17:00.


Mesa Redonda – Homossexualidades.
Prof. Dr. Sérgio Carrara (IMS/UERJ) – “Homossexualidade e violência”.
Prof. Dr. Júlio Simões (USP) – “Uma visão da trajetória do movimento LGBT no Brasil”.
Profa. Dra. Adriana Vianna (PPGAS/Museu Nacional/UFRJ) – “Homossexualidades e direitos sexuais: enunciados, diferenciações e produção de sujeitos morais”.
Comentário: Prof. Dr. Alípio Souza Filho (CCHLA/UFRN).
Coordenação: Carlos Guilherme do Valle (DAN/PPGAS/UFRN)
Local Auditório B, CCHLA, 19:00.

O ódio homofóbico

Leia abaixo matéria publicada no Estadão sobre o ódio homofóbio.

A máquina do ódio homofóbico não para de moer
Todos os dias, mais de um homossexual masculino é assassinado no País. Travestis são maiores vítimas

Vagner de Almeida* - O Estado de S.Paulo

- Desde que iniciei o trabalho sobre violências estruturais, no início dos anos 80, com o surgimento da aids e o crescente número de vítimas do ódio homofóbico, assassinatos praticados com altíssimo grau de violência contra homossexuais ainda crescem no Brasil. No Parque dos Paturis, em Carapicuíba (SP), um suposto serial killer matou, entre julho de 2007 e o último dia 15, nada menos do que 14 pessoas, a maioria homossexuais. Em 2009, também foram assassinados dois travestis de 20 anos no Altiplano Cabo Branco, em João Pessoa. Em todo o País, de janeiro a junho de 2008 foram registrados mais de 50 homicídios contra essa comunidade, tendo o número duplicado até o início de dezembro. Esses dados referem-se apenas aos casos registrados nas delegacias de polícia, nos laudos dos hospitais e por instituições como o Grupo Gay da Bahia, o qual, com tremenda dificuldade, consegue obter informações precárias. Estatísticas comprovam que, por dia, mais de um homossexual é morto em nosso território.



Muitas das vítimas nem sequer chegam a ser reconhecidas após a morte, pois seus corpos são mutilados, queimados e esquartejados, por vezes retirados com pás pelos bombeiros. Outras entram em coma ou ficam com sequelas como paralisia facial, das pernas ou dos braços para o resto de suas vidas.

Os travestis são as maiores vítimas dessa violência urbana. Estão mais expostos do que qualquer outro homossexual. Quando se ouve um pai dizer ao filho adolescente, remetendo-se a um travesti, "nesse tipo de viado você pode dar porrada", entende-se onde esse ódio contra a comunidade LGBT costuma ser gerado.

Ao trabalhar em uma das regiões mais violentas do Estado do Rio de Janeiro, a Baixada Fluminense, foi possível constatar o descaso das políticas públicas em se tratando de descobrir e averiguar crimes frequentes contra essa população. Num cinturão de miséria, ignorância e racismo, os travestis viram alvos fáceis. Raramente a mídia traz esses crimes hediondos em suas manchetes e, quando o faz, muitas vezes os trata de forma desrespeitosa, como nesta manchete do jornal Hora H, da Baixada Fluminense, de 18/10/2006: "Uma quase mulher executada na Dutra". Ou então nesta, do mesmo jornal: "Trava apedrejada até a morte".

Em março de 2005, quando 30 pessoas sucumbiram à chacina em Queimados e em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, dois jovens travestis foram brutalmente assassinados nesse "pacote" e, ironicamente, tratados pela mídia de forma diferenciada. Escreveu-se: "L.H.S., 23 anos, seria travesti e ficava próximo ao Motel Las Vegas, enquanto A.M.V., 15 anos, também seria travesti". Relatos posteriores contam como outros conseguiram sobreviver naquela noite escapando de balas, mas os jornais não se importaram com suas histórias de vida.

O crime ganhou destaque nos maiores veículos de comunicação do planeta, como o jornal The New York Times e a revista The Economist. O presidente Lula pediu apuração rápida do caso. No entanto, um dos travestis assassinados nem sequer passou pela autópsia, sendo enterrado com placas de sangue pelo corpo, o tronco retorcido e a face ainda suja de terra. O outro, apesar de autopsiado, só teve enterro menos indigno porque ativistas, pessoas simples da comunidade, conseguiram uma cova rasa em um cemitério de um bairro pobre da periferia da cidade do Rio de Janeiro. Tanto o poder público quanto os familiares não reconheceram o corpo do travesti como de um cidadão pleno. Mas ao menos os PMs envolvidos, homens que compõem o poder paralelo, não raro contratados para fazer "limpeza da área", foram mais tarde presos e sentenciados a mais de 500 anos de prisão.

A questão é que, mesmo quando há crimes no atacado, como vem ocorrendo no Parque dos Paturis, a investigação, quando existe, é tardia. E os crimes no varejo, como se disse, passam despercebidos. Não existe apenas um único assassino matando pessoas da comunidade LGBT, mas um exército de intolerantes, que precisam ser punidos com leis severas. Projeto de lei da Câmara nº 122/2006, que criminaliza a homofobia e a iguala ao racismo, tramita pelo Congresso há dois anos. Está à espera de passar pelo corredor do conservadorismo, no qual a comunidade homossexual tem apenas obrigações e nenhum direito.

No filme Borboletas da Vida, concluído em 2004, procurei desvendar a realidade de jovens homossexuais que vivem na periferia tanto em capitais como São Paulo, Recife, Fortaleza, Salvador, Vitória, quanto em cidades menores. São meninos, transformistas, borboletas da vida brasileira que "carregam a mulher na bolsa", expressão usada para poderem se transformar no gênero feminino longe de suas comunidades, pois lá seria impossível saírem na rua trajando roupas femininas. Testam as possibilidades da sexualidade, lutam pelo direito de serem diferentes e exigem, de diversas maneiras, que suas diferenças sejam respeitadas.

Já o documentário Basta um Dia, de 2006, aborda a vida de habitantes da Baixada Fluminense que enfrentam o preconceito, a agressão física e a morte social às margens da Rodovia Presidente Dutra, principal ligação entre as duas mais ricas metrópoles do País. O filme busca registrar o movimento entre a esperança e o desespero com os quais essas pessoas são obrigadas a organizar suas vidas individuais e coletivas. M., jovem travesti que levou um tiro nas costas após sair do carro de um cliente sem receber pagamento, conta ter passado cinco horas à beira da rodovia até alguém levá-lo para o Hospital da Posse, em Nova Iguaçu.

Finalizando a trilogia, Sexualidade e Crimes de Ódio, de 2008, recém-lançado no Brasil, busca resgatar a história de amigos e conhecidos, vários deles participantes dos filmes anteriores, que foram assassinados em todo o Brasil nos últimos anos e meses, cujos algozes se encontram livres. É o memorial de um quadro social que silenciosamente extirpa milhares de vidas de homens e mulheres homossexuais.

* Dirigiu os filmes Borboletas da Vida, Basta um Dia e Sexualidade e Crimes de Ódio. É assessor de projetos na Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (Abia) e staff associate na Universidade Colúmbia, EUA

DOMINGO, 15 DE MARÇO
O morto número 14

O homossexual Ivanildo Sales Neto é encontrado morto, com sinais de pauladas, no Parque dos Paturis, em Carapicuíba, São Paulo. Foi o 14º crime ocorrido no local desde 2007 em circunstâncias semelhantes. A polícia cogita tratar-se de um serial killer de gays.

Uma criação divina

"...e Deus criou Gisele". Este é o título de capa da mais recente edição da poderosa revista Vanity Fair. O personagem? Ora, ora, só poderia ser ela, não? Acesse a página e leia a matéria (em inglês). Para não te deixar sem nada, publico abaixo algumas fotos da deusa que estão na prestigiosa revista.








Música para um final de tarde...

Continuo com o trabalho de preenchimento do Coleta Capes, uma invenção infernal (brincadeira, tá? O programa é uma competente ferramenta de recolhimento de dados de nossa produção intelectual e deve ser, de verdade, fruto de mentes criativas). Para dar conta do recado, de vez em quando, escuto algo que valha a pena. E, como não sou egoista, divido com você.

sábado, 28 de março de 2009

O esvaziamento dos partidos políticos brasileiros

Na edição eletrônica do jornal O Estado de São Paulo de hoje, deparei-me com uma análise a respeito do suposto esvaziamento dos partidos políticos brasileiros. Transcrevo abaixo o artigo. Para quem é do campo das ciências sociais, o autor, Marco Aurélio Nogueira, dispensa maiores apresentações

Partidos vazios
Marco Aurélio Nogueira

Se prestarem atenção nos dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) semana passada, os partidos políticos têm bons motivos para se preocupar.

Em janeiro de 2008, cerca de 90% dos eleitores brasileiros não pertenciam a nenhuma legenda. Um ano depois, esse índice subiu para 91,6%. São 119,7 milhões de eleitores sem vínculos partidários. A comparação chama ainda mais a atenção quando se vê que o colégio eleitoral cresceu cerca de 2,9 milhões nesse período, ao passo que o número de não filiados aumentou 4,3 milhões.

A tendência é consistente. Afeta todas as legendas e ocorre em todas as unidades da Federação. A única exceção foi o PRB, partido próximo à Igreja Universal do Reino de Deus, que conseguiu passar de 121 mil para 157 mil filiados. Só o PMDB, maior partido do País, perdeu 14% de seus aderentes (cerca de 300 mil), porcentagem próxima à do PSDB, do DEM e do PT. Mesmo os micropartidos ideológicos, tipo PSTU e PCO, retrocederam cerca de 3%.

Como explicar isso? Estarão os partidos decepcionando os eleitores ou são estes que encontraram outra maneira de encaminhar suas reivindicações? O problema é institucional, pode ser resolvido com uma legislação eleitoral e partidária mais justa e adequada? Ou é de ordem moral, derivado do "excesso de corrupção" e dos "altos salários" que desgastariam a imagem dos políticos entre a população, como alega uma complicada corrente de opinião que vai da direita ultraconservadora à extrema-esquerda "revolucionária"?

Não há resposta cabal para o fato, mas é fácil visualizar suas consequências. O enfraquecimento da relação entre partidos e eleitores é um indício de que se afrouxaram os laços entre a sociedade e o sistema político. Pode ser que os cidadãos já não se importem tanto com o modo como são governados e prefiram se distanciar da democracia representativa. Sem eles, no entanto, a representação soluça e termina sob monopólio dos partidos, que se tornam seus únicos protagonistas, "donos" de suas regras e de seus resultados. Com isso, a política representativa se converte em atividade de profissionais que não são "vistos" pela sociedade e não se importam em trazê-la para o centro do palco.

A questão é delicada porque a democracia representativa continua sempre mais vital em sociedades complexas e multiétnicas como são as nossas. Nela, o fundamental papel de dar operacionalidade à política, às reivindicações sociais e às decisões de governo tem cabido aos partidos, que foram inventados precisamente para isso.

Os partidos se dedicam a organizar a chegada ao governo ou a oposição ao governo. Encarregam-se de criar condições para que os interesses parciais desta ou daquela classe evoluam, se encontrem com os interesses parciais de outras classes e deem origem a algum denominador comum que represente mais fielmente o conjunto. Mesmo as organizações de esquerda, que sempre se recusaram a limitar sua ação ao plano estrito do parlamento, representam grupos sociais, dão voz a eles e podem agir como construtores de hegemonia, de novas orientações culturais. São os partidos e a luta entre eles dentro e fora do parlamento que possibilitam o processamento democrático das demandas e a estruturação de uma agenda de políticas.

Se os cidadãos os ignoram, temos um sinal de alerta, que soa forte quando percebemos que são ralas as chances da sociedade se autorrepresentar ou de resolver seus problemas pela via da "participação direta".

Para entender melhor a questão, temos de olhar para o modo como se vive. O esvaziamento dos partidos tem que ver com uma mudança profunda que está abalando a ordem social. Alguns sociólogos costumam usar a metáfora da "vida líquida" para se referir a isso, salientando a exacerbação de um antigo processo de "derretimento" que estaria a afetar tudo aquilo que há de "sólido" e instituído. Em decorrência, a incerteza e a insegurança tenderiam a amortecer o desejo de participação política dos cidadãos. Outros falam de "sociedade em rede" e dão destaque às tecnologias de informação, que, ao se tornarem experiência cotidiana, alteram a comunicação, o trabalho e a formação da consciência. Embaralhando os fluxos de decisão, numa dinâmica em que o econômico se sobrepõe ao político, a "sociedade em rede" faz com que os centros (os governos, os Estados, os partidos) percam potência e não consigam mais controlar espaços e pessoas, que, frustradas, deles se desinteressam.

Tais configurações casam com a individualização e a democratização típicas da nossa época, que "soltam" os indivíduos de seus grupos de referência e os incentivam a "pensar com a própria cabeça", ou seja, a agir e a decidir autonomamente, mesmo que segundo padrões definidos pela mídia ou pelo mercado. Perversas e sutis formas de controle se generalizam num ambiente onde tudo parece fora de controle. A obsessão por controlar (das pessoas à própria vida) convive paradoxalmente com o desejo ilimitado de liberdade.

As sociedades deixam assim de produzir adesões e lealdades simples, automáticas, tumultuando as identidades. Dá para imaginar como isso rebate na política.

Não precisamos levar essas hipóteses ao pé da letra, pois as mudanças sociais são assimétricas, espalham-se por tempos longos e demoram a ser captadas pelas instituições. Mas se tais explicações têm alguma serventia, é a de nos alertar para o que ocorre nos rios profundos que movem as sociedades. Servem para nos dizer que as instituições precisam mudar, que as práticas não podem permanecer rotinizadas, que a linguagem política tem de ser renovada dia a dia, independentemente de credos, livros ou heróis.

Ou a política democrática honra seu compromisso com a secularização e abandona os deuses que porventura já não falam a língua do tempo, ou arrisca-se a perder valor inapelavelmente.

Marco Aurélio Nogueira é professor titular de Teoria Política da Unesp. E-mail: m.a.nogueira@globo.com

sexta-feira, 27 de março de 2009

Adão Iturrusgarai


Você gosta das tiras do Adão? Então, visite o blog dele. Clique aqui e fique de bom humor...


Leia, na matéria abaixo, publicada no site da Agência Carta Maior, uma entrevista com o sempre polêmico filósofo francês Michel Onfray. Trata-se de uma análise arguta e destemida sobre as posições políticas da Igreja Católica. Vale a pena conferir!

"A Igreja Católica sempre legitimou a violência dos Estados"

A polêmica sobre a decisão do arcebispo de Olinda e Recife, Dom José Cardoso Sobrinho, que excomunhou os médicos que realizaram o aborto no episódio da menina estuprada pelo pai ganhou repercussão internacional. Para o filósofo francês Michel Onfray, decisão é coerente com pensamento oficial da Igreja Católica de hoje. "A ideologia da Igreja é reacionária, conservadora e insuportável. A Igreja apresenta indignações seletivas. Durante e após a II Guerra Mundial, ela excomungou todos os comunistas e nunca excomungou um único nazista", critica Onfray.
Marta Fantini


O filósofo francês Michel Onfray, iniciador da Universidade Popular de Caen , autor de 51 livros, traduzidos em mais de 20 línguas, e de uma coleção de 12 CDs, aposta na Filosofia como meio de vencer o lado irrracional do ser humano: "Apesar do sofrimento da existência humana, que sempre existiu e existirá, é preciso viver em pé, com dignidade e não ajoelhado. O filósofo tem a obrigação de construir um movimento universal de elevação da condição humana".
Leia mais aqui.

quarta-feira, 25 de março de 2009

Uma ação que precisa ser copiada...

Como seria bom se o pessoal da Psicologia da UFRN copiasse a USP e a UFSCAR no que diz respeito ao objeto da matéria abaixo, publicada hoje na Folha (reproduzirei apenas um trecho, dado que o material é de acesso exclusivo dos assinantes da UOL).

USP e UFSCar vão ensinar professores de Catanduva a ajudar vítimas de abuso

ROBERTO MADUREIRADA FOLHA RIBEIRÃO
Professores especialistas das faculdades de psicologia da USP de Ribeirão Preto e da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) vão treinar professores da rede municipal de Catanduva a identificar crianças vítimas de violência e saber como lidar com elas.Na cidade, é investigada a atuação de uma rede de pedofilia que já teria vitimado 46 crianças pobres.As duas faculdades são credenciadas no programa Escola que Protege, do MEC (Ministério da Educação), que fez a solicitação."Sabendo das dificuldades na cidade, eles acionaram os integrantes do projeto na região", disse Sérgio Kodato, coordenador do Observatório da Violência e Práticas Exemplares, da USP.A professora Lúcia Williams, da UFSCar, participa com mais outros três docentes de uma reunião, hoje, que vai traçar os detalhes da ação oferecida pelo MEC.(...)
Assinante UOL lê a matéria completa aqui.

Uma música para relaxar

A bela moça da foto abaixo é Tiê, uma cantora que tem tudo para se tornar a nova musa da MPB. Essa, pelo menos, é a opinião do pessoal do caderno de cultura do Estadão. O jornal paulista disponibiliza um áudio com uma bela música da jovem cantora ("Passarinho"). Clique aqui e acesse.

O efeito devastador da atual crise econômica no equilíbrio político do leste europeu

Sempre que tenho um tempinho (coisa rara, infelizmente) procuro me inteirar das coisas através do EL País. Hoje, o jornal espanhol destaca os efeitos devastadores da crise econômica no leste europeu. Por acaso, no momento, estou lendo o último livro de Loretta Napoleoni intitulado "O lado obscuro da economia". Na obra, a economista analisa a correlação entre a emergência das máfias russas e o tráficos de mulheres e a devastação da Europa do Leste após a queda do muro de Berlim. Uma obra com informações aterradoras (depois eu comentarei aqui). Bueno, mas vamos à matéria do El País?

La tormenta económica amenaza con barrer los Gobiernos de Europa del Este
Las primeras señales de alarma política por la crisis de los mercados se dejan notar en Rumania, Hungría y República Checa

La tormenta económica por la crisis mundial amenaza con arrasar el frágil equilibrio de los Gobiernos de Europa del Este. En plena época de turbulencias, tres de los Estados europeos más sensibles a los movimientos de los mercados han empezado a sufrir los primeros vaivenes políticos con motivo de mala situación económica internacional. La República Checa, que ostenta la presidencia de turno de la Unión Europea (UE), Hungría y Rumania han dado las primeras señales de alarma política en el seno de la Unión.

El Fondo Monetario Internacional (FMI) ha anunciado que Rumania recibirá un paquete de ayuda de unos 20.000 millones de euros de este organismo, la UE y el Banco Mundial (BM) con el objetivo de afrontar los problemas económicos y evitar el hundimiento. Así lo ha comunicado a primera hora de hoy en Bucarest Jeffrey Franks, representante de la delegación del FMI, que ha negociado estos días con las autoridades rumanas el acuerdo.

Según el pacto, Rumania deberá reformar su política fiscal y reducir su déficit presupuestario para 2009 a un 4,5%. Del monto total del préstamo, el FMI ha acordado con el gobierno un crédito puente por dos años de 12.900 millones de euros.

Pese a descartar nuevos planes de estímulo, la UE aportará al paquete de financiación 5.000 millones de euros con un vencimiento a cinco años, y el Banco Mundial aportará otros 1.500 millones de euros. El resto del monto será concedido por otras instituciones financieras internacionales.

El relanzamiento de los créditos de los bancos es una de las prioridades del acuerdo alcanzado, explicó en Bucarest Franks, tras recordar la necesidad de concertar con los bancos extranjeros que actúan en el mercado rumano que se garantice que estos créditos no serán repatriados a los países de origen.

Rumania es el tercer país comunitario, después de Hungría y Letonia, que recurre a la ayuda de organizaciones internacionales para salvar su economía nacional de la quiebra. Con este fin, Hungría recibió en octubre pasado 20.000 millones de euros del FMI y la UE, mientras que Ucrania obtuvo 16.400 millones de dólares. En este último país, la crisis amenaza con tumbar la conocida revolución naranja. La recesión castiga cada vez más a la industria mientras la deuda exterior se dispara y los líderes de la revolución de 2004, el presidente, Víktor Yúshenko, y la primera ministra, Yulia Timoshenko, se devalúan ante la sociedad.

Sin resistencia

Cualquier ayuda en Hungría parece poca. El Gobierno no ha podido resistir el embate y el país busca un sustituto al primer ministro, Ferenc Gyucsany, que reconoció haber mentido al electorado sobre la crisis económica para asegurarse la reelección. Gyurcsany anunció el sábado que renunciará a su cargo por la grave recesión que vive el país desde hace meses. En el poder desde septiembre de 2004, dijo durante su intervención en el congreso de los socialistas húngaros que dejaría de liderar el gobierno para ayudar al país a salir de la crisis.

Mientras tanto, la oposición ha respaldado hoy al presidente del banco central, Gyorgy Suranyi, como próximo jefe del Ejecutivo. Suranyi ha recibido el apoyo oficial de los opositores Democracia Libre para ponerse al frente del Gobierno húngaro y sustituir a Gyucsany.

En parte por la crisis interna en parte por los efectos del terremoto financiero, el Gobierno checo sucumbió ayer a una moción de censura de la izquierda en Praga. El Gabinete de Mirek Topolanek había sido abiertamente criticado por la oposición por la política económica, marcada por el liberalismo, en plena crisis. Topolanek, que anunció ayer su dimisión como primer ministro de la República Checa, podría seguir meses como jefe de Gobierno en funciones y concluir en junio su mandato como presidente de los Veintisiete, como desea la oposición que le ha derribado.

Existen diferencias en el Este. Hungría, Letonia y Rumania han pedido ayuda al Fondo Monetario Internacional, mientras Bulgaria, Estonia y Lituania pueden acabar imitándoles. Otros países, como Polonia, República Checa, Eslovaquia y Eslovenia (estos dos últimos ya han adoptado el euro), parecen aguantar mejor la crisis. Sin embargo, el director gerente del Fondo Monetario Interncional, Dominique Strauss-Kahn, advirtió que la crisis económica puede provocar disturbios sociales que "amenacen a las democracias y degeneren en conflictos, incluso guerras", por lo que ha reclamado medidas urgentes. Y Praga y Budapest han visto caer a sus Gobiernos como si hubiesen inaugurado una lista que se antoja más larga.

terça-feira, 24 de março de 2009

Obama e Cuba: Eppur se muove...

Domingo passado, meus amigos Olavo e Márcia estiveram lá em casa. Fui presenteado por eles com um legítimo charuto artesanal cubano. Coisa para deuses! Uma maravilha! Para complementar, um bom vinho. De Olavo, que chegou há poucos dias da Ilha, procurei saber novidades. Conversamos horas sobre a política cubana e as expectativas diante das medidas (tímidas) tomadas pelo Presidente Obama para arrefecer o embargo sobre o país. Uma noite agradável. Após o papo, e lendo o material disponível na mídia, acho que podemos afirmar que algo está se movendo em relação ao bloqueio e que o Presidente Obama já começa a fazer alguma diferença...

Quando li, há pouco, a matéria abaixo, publicada no espanhol El País, lembrei-me do encontro. Vale a pena conferir!

REPORTAJE
Cuba espera la lluvia de dólares
Las reformas de Obama multiplicarán el gasto y las remesas, según los expertos

Cuba espera que se incremente entre 300 millones y 500 millones de dólares anuales (entre 220 millones y 367 millones de euros) el dinero que recibe de los exiliados en EE UU gracias a las últimas medidas flexibilizadoras del presidente Barack Obama, que este mes amplió las visitas de los cubano-estadounidenses y las remesas que pueden enviar a la isla.

Economistas cubanos consideran, en función de estimaciones anteriores de la Comisión Económica Para América Latina (CEPAL) que cifran entre 900 millones y 1.000 millones de dólares lo que Cuba recibía al año por remesas, que los datos "son considerables dada la precariedad de la economía cubana". "Éstas son cifras polémicas y si usted quiere políticas, pero le aseguro que son conservadoras", dijo uno de los analistas entrevistados.

Hasta 2004, casi todos los cubano-estadounidenses podían obtener anualmente sin dificultad una licencia general de Washington para visitar a sus familiares. Pero desde entonces, debido a las restricciones impuestas por el ex presidente George Bush, las visitas se redujeron a una cada tres años y se redefinió el concepto de familiar cercano a padres, hermanos, hijos, abuelos o nietos.

La fobia anticastrista de Bush limitó las visitas a 14 días trienales, y la cantidad de dinero a gastar a 50 dólares diarios.

Ahora Obama ha vuelto a la situación anterior: un viaje al año, permanecer lo que se desee y un gasto diario de hasta 170 dólares. Nada ha dicho de las remesas -hasta ahora se podían enviar 1.200 dólares al año- pero se amplía el concepto de familiar cercano, que ahora incluye a primos, tíos y sobrinos. Sobre las compras de medicinas y alimentos, se dan facilidades para que Cuba pague cuando reciba los productos.

De momento, el diario Granma calificó ayer la medida de Obama de "un primer revés contra la mafia anticastrista de Miami", aunque aclaró que el "bloqueo sigue en pie" y que las enmiendas aprobadas la semana pasada "no modifican el cerco que sucesivas Administraciones han tendido sobre Cuba".

Políticos cubanos y estadounidenses que andan en la senda del realismo, coinciden en que el primer gesto de Obama tiene valor. "No está mal para empezar... todavía está lejos pensar en la eliminación de las restricciones a los estadounidenses para que hagan turismo en Cuba, pero hay muchos interesados en que progrese el tema", dice uno de los promotores de esta iniciativa en EE UU.

Dos datos: hoy viajan a la isla 2.300.000 turistas, y unos 150.000 son cubano-estadounidenses. Un cálculo conservador eleva a 2.000.000 los turistas estadounidenses que podrían viajar a Cuba anualmente.

Fuentes hoteleras españolas dijeron que esperan que la medida tenga consecuencias a partir de este verano. "El incremento de los viajes acabará con todo el familión en un hotel todo incluido de la playa de Varadero", dice un empleado del sector que asegura tener los ojos puestos en la próxima Cumbre de las Américas de Trinidad y Tobago, donde Obama se enfrentará por primera vez a un continente totalmente ganado para la causa del fin del embargo.

segunda-feira, 23 de março de 2009

Música para um final de tarde...

Estou no trabalho, como sempre. Lá fora, um final de tarde maravilhoso. A escuridão vai fechando o campo de visão do campus da UFRN(que é lindo!). Mas hoje, oh, Céus!, estou preenchendo o Coleta Capes. Você não sabe do que se trata? Bom prá você. Que feliz que és! Então, aproveite e fique com Chavela Vargas cantando "Un mundo raro". Eu vou ouvir e continuar no trampo.

Série de reportagens sobre o Crack

No site da Agência Brasil, você poderá ter acesso a um material muito interessante sobre o efeito devastador do consumo do crack por adolescentes e jovens. Acesse aqui.

Milk, o preço da liberdade

Não, não, ainda não assiti ao filme. Infelizmente! Tenho a expectativa de fazê-lo o mais breve possível. Enquanto isso, coloco, mais abaixo, um artigo de Contardo Caligaris sobre o mesmo. Confira!

MILK", O PREÇO DA LIBERDADE
Contardo Calligaris


Para continuarmos livres, é preciso defender a liberdade do vizinho como se fosse a nossa


ASSISTINDO a "Milk - A Voz da Igualdade", de Gus Van Sant (extraordinário Sean Penn no papel de Harvey Milk), lembrei-me de um e-mail que recebi em abril de 2008. Era uma circular de www.boxturtlebulletin.com (um site sobre os direitos das minorias sexuais), que "comemorava" os 55 anos de um evento sinistro: em 1953, Dwight Eisenhower, presidente dos EUA, assinou um decreto pelo qual seriam despedidos todos os funcionários federais que fossem culpados de "perversão sexual". Essa lei permaneceu em vigor durante mais de 20 anos: milhares de americanos perderam seus empregos por causa de sua orientação sexual.

Fato frequentemente esquecido (um pouco como foi esquecida, durante décadas, a perseguição dos homossexuais pelo nazismo), nos anos 50, no discurso do senador McCarthy, a caça às bruxas "comunistas" se confundia com a caça às bruxas homossexuais. Por exemplo, uma carta do secretário nacional do Partido Republicano (citada na circular) dizia: "Talvez tão perigosos quanto os comunistas propriamente ditos são os pervertidos escusos que infiltraram nosso governo nos últimos anos". Essa não era uma posição extrema: na época, a revista "Time" defendeu o projeto de despedir todos os homossexuais que trabalhassem para o governo federal.

É nesse clima que, nos anos 70, em San Francisco, Milk se tornou o primeiro homossexual assumido a ser eleito para um cargo público.

Poderia escrever sobre as razões que, quase invariavelmente, levam alguém a querer esmagar a liberdade de seus semelhantes. O segredo (de polichinelo) é que muitos preferem odiar nos outros alguma coisa que eles não querem reconhecer e odiar neles mesmos. E poderia contar a história de Roy Cohn, braço direito de McCarthy, que morreu, em 1984, odiando e escondendo sua homossexualidade e gritando ao mundo que a causa de sua morte não era a Aids (ele foi imortalizado por Al Pacino na peça e no filme "Anjos na América", de Tony Kushner).

Mas, depois de assistir a "Milk", estou a fim de festejar o caminho percorrido em apenas meio século: o mundo é, hoje, um lugar mais habitável do que 50 anos atrás. Aconteceu graças a milhares de Harvey Milks e a milhões de outros que não precisaram ser nem homossexuais nem comunistas nem coisa que valesse: eles apenas descobriram que só é possível proteger a liberdade da gente se entendermos que, para isso, é necessário defender a liberdade de nosso vizinho como se fosse a nossa. Nos anos 70, quase decorei a carta aberta que James Baldwin (escritor, negro e homossexual) endereçou a Angela Davis (jovem filósofa, negra e militante), quando ela estava sendo processada por um assassinato que não cometera, e o risco era grande que o processo acabasse em uma condenação "exemplar". Baldwin lembrava as diferenças de história, engajamento e pensamento entre ele e Davis, para concluir: "Devemos lutar pela tua vida como se fosse a nossa - ela é a nossa, aliás - e obstruir com nossos corpos o corredor que leva à câmara de gás. Porque, se eles te pegarem de manhã, voltarão para nós naquela mesma noite".

Os direitos fundamentais não são direitos de grupo, eles valem para cada indivíduo singularmente, um a um. É óbvio que grupos particulares (constituídos por raça, orientação sexual, ideologia, etnia etc.) podem e devem militar coletivamente pelos direitos de seus membros, mas, em uma sociedade de indivíduos, a liberdade de cada um, por "diferente" que ele seja, é condição da liberdade de todos. Por quê?

Simples: se meu vizinho, sem violar as leis básicas da cidade, for impedido de ter a vida concreta que ele quer, então meu jeito de viver poderá ser tolerado ou até permitido, mas ele não será nunca mais propriamente meu direito. "Milk" é um filme sobre um momento crucial na história das liberdades, mas não é um filme "arqueológico". A gente sai do cinema com a sensação renovada de que a militância libertária ainda é a grande exigência do dia. Ótimo assim.

Um amigo me disse recentemente que eu dou uma importância excessiva à contracultura dos anos 60/70. Acho, de fato, que ela foi a única revolução do século 20 que deu certo e, ao dar certo, melhorou a vida concreta de muitos, se não de todos. Acho também que suas conquistas só se mantêm pelo esforço cotidiano de muitos. Afinal (quem viu o filme entenderá), surge uma Anita Bryant a cada dia.

domingo, 22 de março de 2009

Eleições para Reitor na UFRN

Começa a entrar em pauta, nos corredores da UFRN, a disputa para a escolha do próximo reitor. Sim, o próximo. O Professor Ivonildo Rêgo, em seu segundo mandato, não poderá mais concorrer. A expectativa é de um cenário imprevisível, com uma disputa pulverizada em muitas candidaturas. Pelos menos três pró-reitores e dois diretores de centro já estão tendo seus nomes lembrados na Bolsa de Apostas da sucessão. Assim que possível, talvez até o final da semana, postarei uma análise mais aprofundada sobre o tema.

Uma ótima análise do dinheiro

Lembrei-me da socióloga Viviane Zelizer (já postei comentários sobre os seus trabalhos neste blog) ao ler um artigo de autoria de João Sayad tecendo comentários sobre o dinheiro, publicado no jornal Folha de São Paulo de hoje (no caderno Mais!). Leia alguns trechos abaixo.

O mito do capital
Ponto central da crise econômica, moeda é convenção social tomada como valor absoluto
Dinheiro é um mito; não é uma mentira; é história de origem esquecida que organiza a vida social
JOÃO SAYAD
ESPECIAL PARA A FOLHA

Claude Lévi-Strauss encontrou apenas cadáveres dos nhem-nhens, pintados de preto e amarelo, ornados com cocares de pena e espalhados em torno dos restos de uma fogueira.Morreram todos.Mais tarde, descobriu o ocorrido. No outono, os nhem-nhens montam fogueira muito alta. Se a fogueira queimar de alto a baixo, é sinal de ano farto e próspero. Se desmoronar, mau presságio. A fogueira desmoronou. O pajé não conseguiu controlar o desespero da tribo, que se suicidou com veneno de urutu.Não havia ameaça real -seca, invasão do território de caça ou doença. Tragédia produzida no mundo mítico. Um absurdo.O evento terrível assombrou o etnólogo. Uma comunidade bárbara e primitiva?Este artigo fala da crise financeira. Milhões perdem o emprego. Produziremos menos soja, celulares, remédios. A democracia será ameaçada pela radicalização.Nenhum problema real visível -excesso de produção, falta de demanda ou impasse político intransponível. Crise produzida no mundo do dinheiro.Dinheiro é um mito. Não é uma mentira. É história de origem esquecida que organiza a vida social -fala da criação do mundo ou de heróis que transmitem os valores da sociedade. O mito é um discurso.Dinheiro é o mito que organiza a atividade econômica, a escolha entre diferentes alternativas, custos, receitas, lucros. Tudo o que existe natural e pacificamente gera mais dinheiro do que gasta. O resto tem existência atribulada -requer subsídios, é político, efêmero, artificial, não sustentável: geleiras, florestas, orquestras sinfônicas, rios, literatura. (...)

Assinante UOL lê o artigo completo aqui.

sexta-feira, 20 de março de 2009

A mediocridade e a pequenez de alguns heróis consagrados pela mídia

O texto abaixo é um libelo contra essas construções aligeiradas, feitas pela grande impressa, de algumas personalidades como dotadas de auras heróicas. No cotidiano, a coisa é mais dura, e menos românrtica. Leia o texto abaixo a respeito de Ingrid Betancourt. De quebra, um ótimo comentário sobre o maior historiador do século XX. O texto foi publicado no jornal argentino Clarin.

Miércoles 18 de Marzo de 2009
Vidas nada paralelas
Marcelo A. Moreno


Tienen en común la celebridad, prestigiosas distinciones que les han conferido y la pasión por el pensamiento político. Los separan muchas más cosas: la cronología -él es un anciano enfermo; ella, una saludable mujer de mediana edad-, las nacionalidades -él es ciudadano de un país desarrollado y ella, de uno del Tercer Mundo- y el respeto: él es una figura indiscutida dentro de la intelectualidad de Occidente y ella, un personaje de alta exposición mediática, alrededor del cual se dilata polémica.

Ingrid Betancourt saltó a la fama planetaria cuando, en 2002, fue secuestrada por la guerrilla FARC siendo candidata a presidente de Colombia por el partido Verde Oxígeno, junto a la que se dijo era su postulante a vice, Clara Rojas. Así, pasó más de seis años de horror en la selva.

Por su celebridad, Betancourt no tardó en convertirse en un símbolo de los muchos rehenes capturados por la guerrilla. Una foto suya, encadenada, con la mirada baja, como perdida dentro del laberinto de una pesadilla -especie de póster de estética guevarista, justo de quien estaba en manos de tardíos discípulos del Che- movilizó más aún el reclamo internacional por la liberación de los desdichados.

En medio de tanto ruido mediático, se produjo -gracias a una treta eficaz de los militares colombianos- la liberación. Y todos los medios del mundo repitieron las escenas en que Ingrid apareció lozana, esbelta y plena en el brillo de su sonrisa televisiva.

La victoriosa heroína no perdió el tiempo. Luego de ignorar por completo -y a cámara- a su desconcertado marido -hoy, definitivamente, ex-, se lanzó a una gira mundial que incluyó al presidente francés Sarkozy - que le confirió la Legión de Honor-, al Papa y al Rey de España, quien le concedió el Premio Príncipe de Asturias, entre otros. El periplo incluyó estas Pampas y no tuvo inconvenientes en visitar a Cristina de Kirchner junto a la diva pop Madonna.

Pero tanta sed de gloria tuvo el daño colateral del papelón: llegó a difundir su agradecimiento por un premio Nobel de la Paz, que nunca se le otorgó.

Tiempo después de la resonante liberación, habló Clara Rojas, su compañera de cautiverio. Aseguró que en la selva Ingrid le había demostrado "que no era mi amiga". No dijo más, pero nada más claro que Clara.

Y hace poco tres contratistas militares norteamericanos que pasaron 1.967 días en poder las FARC publicaron un libro que no deja ni rastros de la heroína.

Según Marc Gonsalves -que asegura haber mantenido un romance con ella-, Keith Stansell y Tom Howes, Ingrid siempre se comportó de manera altiva y manipuladora. Eso sería poco: la acusan de robar la comida de sus compañeros. Y más, de señalarlos ante los guerrilleros como miembros de la CIA, lo que puso en apretado riesgo sus vidas. Uno de ellos es contundente: "algunos de los guardias nos trataban mejor que ella."

Y ahora la esposa de otro secuestrado, un ex senador colombiano, develó que su marido también compartía el lecho con ella. Mientras, Ingrid calla.

Muy lejos de todo este ruido, el gran historiador inglés Eric Hobsbawm, de 91 años, -autor de una deslumbrante historia del siglo XX, entre otras delicias- acaba de dejar en ridículo al célebre MI5 (el organismo de espionaje interno británico), que se negó a proporcionarle su ficha como miembro del partido Comunista, monitoreado a lo largo de décadas.

Hobsbawm no lo hace para denunciarlos. Sólo quiere documentar debidamente su autobiografía. Según lord Lipsey, miembro vitalicio del Parlamento, el MI5 le niega los papeles para "evitar exponer su propia ineptitud".Un delgado hilo de ironía parece vincular, secreto, estas historias. Una, rutilante pero llena de alargadas sombras que la desdibujan hasta deformarla. Otra, monótona y gris, pero a la vez casi radiante.

(Publicado en la columna Disparador de Clarín el domingo 15 de marzo del 2009)
Publicado por Marcelo A. Moreno el Marzo

quinta-feira, 19 de março de 2009

Morrer com dignidade: uma decisão histórica no Uruguai

Leia abaixo matéria do Página 12 dando conta da decisão histórica do parlamento urugaio a respeito da eutanásia. Um avança da civilização.

Muerte digna en Uruguay
El Parlamento uruguayo sancionó la ley de “voluntad anticipada”, que permite al paciente dejar constancia por escrito de que su vida no será prolongada artificialmente.

Por Pedro Lipcovich

El Congreso uruguayo sancionó la ley “de voluntad anticipada”, por la cual toda persona puede disponer por escrito su decisión de que su vida no sea prolongada artificialmente en una situación terminal, designando un representante para que haga cumplir esa voluntad. La misma ley autoriza a que, si el moribundo no manifestó su voluntad y se encuentra inconsciente, sean sus familiares quienes decidan discontinuar el tratamiento. Se anticipó que el presidente Tabaré Vázquez no vetará la ley. En la Argentina, sólo la provincia de Río Negro dispone de una legislación similar. Una normativa como ésta hubiera impedido, en Italia, el escándalo que suscitó el retiro de soportes artificiales al cuerpo de Eluana Englaro, que llevaba 17 años en coma irreversible.

La “voluntad anticipada” se otorga ante dos testigos; “también podrá manifestarse ante escribano público”, y “deberá ser incorporada a la historia clínica del paciente”, según la flamante ley. Esta voluntad “puede ser revocada en forma oral o escrita en cualquier momento”. En el documento que la exprese, “se deberá incluir el nombramiento de una persona denominada representante, mayor de edad, para que vele por el cumplimiento de esa voluntad, en caso de que el titular se vuelva incapaz de tomar decisiones por sí mismo”.

Además, “en el caso de que el paciente, en estado terminal de una patología incurable e irreversible, no haya expresado su voluntad y se encuentre incapacitado de expresarla, la suspensión de los tratamientos o procedimientos será una decisión del cónyuge, concubino estable o familiares en primer grado de consanguinidad, a propuesta y con el aval del médico tratante”, precisa la ley.

En todos los casos, “el médico deberá comunicarlo a la comisión de bioética de la institución”. La ley admite una posible “objeción de conciencia por parte del médico tratante”, en cuyo caso dispone “su subrogación por el profesional que corresponda”.

La norma advierte que “las instituciones públicas y privadas de salud deberán garantizar el cumplimiento y proveer programas educativos para su personal y usuarios sobre los derechos del paciente que estipula la presente ley”. Fuentes del Ejecutivo uruguayo anticiparon que –a diferencia de lo que sucedió con la que autorizaba el aborto– el presidente Tabaré Vázquez promulgará esta ley, que fue cuestionada por sectores católicos como la Mesa Coordinadora Nacional Provida.

Para Carlos Gherardi, director del Comité de Etica del Hospital de Clínicas de la UBA, “lo más importante de esta ley es que otorga poder a la familia para decidir. Es frecuente que estos pacientes no estén en condiciones de hacerlo, por hallarse en coma u obnubilados por las drogas que suelen usarse en terapia intensiva. Entonces, el que debe decidir es, primero, quien cuida y atiende al paciente, que es habitualmente el cónyuge o compañero; si no, los hijos; después los padres o los hermanos”.

“Ese orden de prioridad es el que establece, por ejemplo, la ley de trasplantes argentina, cuando se trata de decidir sobre la donación de órganos de un fallecido. Importa porque, en estos temas, la unanimidad familiar puede no lograrse”, observó Gherardi, autor del libro Vida y muerte en terapia intensiva, y aclaró que, en cuanto a la ley uruguaya, “no corresponde el término ‘eutanasia’, ya que no se trata de matar ni de dejar morir, sino de permitir morir”.

En nuestro país no existe todavía una ley nacional como la que acaba de sancionarse en Uruguay. La única ley provincial comparable rige en la provincia de Río Negro. En la provincia de Buenos Aires, el Colegio de Escribanos formalizó su disposición a dar fe de un “testamento vital” similar al planteado por la ley uruguaya. Por lo demás, desde luego, todo ciudadano tiene derecho a dejar formulada su voluntad ante escribano público.

De haber existido en Italia una ley similar a la uruguaya, no se habría generado ningún conflicto público tras la decisión del padre de Eluana Englaro –en coma irreversible desde hacía 17 años– de retirarle los soportes artificiales.

O Papa na África

A crise na ótica da Nova Sociologia Econômica

No número mais recente do Economic Sociology - the european electronic newsletter, você vai encontrar um conjunto de artigos dedicados à análise da crise econômica. Vale a pena conferir. Baixe aqui o periódico.

Um análise sobre as eleições de 2010

Leia abaixo interessante análise, publicada no jornal Valor Econômico, de autoria de Maria Cristina Fernandes, editora de política daquele diário.

Crise embaralha sucessão presidencial
Maria Cristina Fernandes


O maior ativo da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, é também o maior risco do governo Luiz Inácio Lula da Silva até 2010. Foi pelo reconhecimento à sua capacidade de gestão que Dilma deixou o Ministério das Minas e Energia para, em meados de 2005, assumir a Casa Civil no lugar de José Dirceu, até aquele momento insubstituível condestável do governo petista. Alçada à mãe do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), tornou-se a preferida de Lula à sua sucessão. Se os investimentos públicos tiveram um tímido, mas importante avanço em 2008 isso se deveu, em grande parte, à saúde financeira das estatais e à dinâmica que a ministra imprimiu aos negócios do governo.

Com a antecipação da campanha presidencial, a ministra intensificou sua agenda de viagens pelo país, grande parte delas sem o presidente. Se a agenda segue, por um lado, a estratégia de levar sua fatia de intenção de votos a 25% até o final do ano, deixa a descoberto, por outro, o gerenciamento das ações de governo.

A demonstração de que as obras que dependem da ação direta do governo não andam foi o modelo adotado para o programa de habitação. Estratégico para a campanha presidencial de Dilma, o programa vai ser integralmente tocado pela iniciativa privada, sem intermediação de União, Estados ou municípios.

A ação de governo, no entanto, não se resume ao programa cuja meta de construção de 1 milhão de casas até 2010 é pouco crível. A dificuldade de imprimir agilidade às obras governamentais foi agravada pela crise de crédito que atingiu uma grande parte das empresas contratadas da União.

Na administração direta, o sinal de alerta soou na Receita Federal. Ainda que a queda na arrecadação seja decorrência direta de uma atividade econômica fortemente afetada pela crise de crédito, a eficiência da máquina da Receita está sendo posta à prova, por exemplo, pela redução em quase R$ 30 bilhões das multas aplicadas em 2008 comparativamente ao ano anterior.

Vice-presidente da Comissão de Assuntos Econômicos e relator do Orçamento de 2009, o senador Delcídio Amaral (PT-MS), reconhece que a queda na arrecadação obrigará o governo a fazer um duro programa de ajustes nos gastos deste ano. O Orçamento foi feito com base em um crescimento de 3,5% em 2009 e será executado em um cenário que pode vir a se confirmar como recessivo.

O principal alvo dos ajustes, confirma Delcídio, são os reajustes a diversas categorias de servidores públicos federais. O impacto desses reajustes, diz, é de R$ 29 bilhões este ano e R$ 40 bi em 2010. A brecha legal para o adiamento são os gatilhos contidos nas medidas provisórias dos reajustes que condicionam sua concessão ao desempenho da Receita.

Como a remuneração dos servidores federais serve de parâmetro para o funcionalismo dos Estados e municípios, é significativo o impacto fiscal do adiamento dos reajustes. E também da reação política dos servidores afetados. O Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) calcula que, em todas as esferas de poder, haja cinco milhões de funcionários públicos no país. Estima-se que movimentem 15 milhões de votos. Se fosse um Estado, este colégio eleitoral seria o segundo maior do país, atrás apenas de São Paulo.

O presidente da República, com os índices recordes de popularidade que desfruta, avalia o relator do Orçamento, teria condições de segurar politicamente a decisão de postergar esses aumentos. O risco de jogar esse colégio eleitoral no colo dos tucanos é mitigado pela disposição amplamente conhecida da oposição de endurecer ainda mais o jogo com os servidores.

A relação com o funcionalismo deverá ser um dos temas mais delicados da campanha eleitoral. No discurso dos pré-candidatos do PSDB, os governadores de São Paulo, José Serra, e de Minas, Aécio Neves, é frequente a menção ao gigantismo que a máquina estatal adquiriu no governo Lula. Dilma Rousseff também incorporou em seu discurso o tema da reforma do Estado. Ao contrário dos tucanos, no entanto, aborda o tema da eficiência antes pela adoção da meritocracia do que pela redução da máquina.

O alcance da crise determinará o peso que os temas vão adquirir na campanha eleitoral mas certamente os debates não escaparão do tema do salário mínimo que, no acumulado do governo Lula, aumentou 51%. O governador de São Paulo, por dois anos consecutivos, fez aprovar na Assembleia, um mínimo superior ao da União.

Essa política de valorização do mínimo é o esteio do modelo brasileiro de enfrentamento da crise pela base. O que não é suficiente para deixá-la a salvo depressões, seja pelo impacto sobre as contas da Previdência (18 milhões de beneficiários) quanto pela relação com o desemprego, tese que é esboçada por influentes conselheiros do presidente, como o economista Delfim Netto.

O presidente já deu sinais de que pretende resistir às pressões e concluir a votação do projeto que torna lei a política de reajuste do mínimo. O modelo, já em vigor, estabelece um reajuste em função da evolução do crescimento real do Produto Interno Bruto (PIB) apurado dois anos antes mais a inflação do ano anterior. Esta política de reajuste é uma das maiores vitórias alcançadas pelo movimento sindical junto a este governo. Ciente de que não será capaz de avançar sua agenda no governo de quaisquer dos pré-candidatos mais do que o fez na gestão Lula, o movimento sindical já se prepara para uma ação preventiva, no sentido de evitar recuos, como o reconhecimento das centrais.

Boa parte do prestígio de Lula junto ao empresariado foi obtido com a tese de que ninguém mais seria capaz de manter os pressupostos da política econômica herdada do governo anterior e as rédeas do movimento sindical para fazer o país crescer. O presidente ganhou passe livre junto à elite empresarial como a personificação desse equilíbrio entre capital e trabalho. E foi capaz, em grande parte, de cumprir sua missão porque a economia cresceu. O dilema da sucessão que se avizinha é justamente como manter um modelo que tem 84% de aprovação num cenário econômico adverso. Fracionada pelas disputas internas, a oposição perde-se na tentativa de capitalizar politicamente a crise.

No palco dessa disputa digladiam-se dois políticos de perfil tecnocrático - Dilma e Serra - com respeitável histórico de resistência à ditadura e pouca propensão à contemporizações; e um político formado na tradição da conciliação nacional - Aécio Neves - e o melhor de sua geração no trânsito por todo o espectro partidário.

Nesse cenário, eivado de indefinições, ainda pairam dúvidas sobre a candidatura do deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE) e sobre os rumos do PMDB. O partido fez crescer sua influência no governo Lula à medida que se aproxima a sucessão presidencial e hoje está no comando de pastas obreiras com grande peso na inoperância gerencial do governo. Ruma para chegar a 2010 como o fez no final de quase todos os governos da redemocratização - fiador do precário equilíbrio entre o arcaísmo e a modernização do país.

Greve Geral na França

A França amanheceu em ritmo lento. Tudo quase parando. É a Greve Geral contra os efeitos devastadores da crise econômica. Os franceses não querem que as vítimas de sempre continuem pagando o pato. Leia abaixo notícias sobre o movimento retiradas do site da Rádio França Internacional.



FRANÇA
Greve geral leva milhares de manifestantes às ruas contra política de Sarkozy




A greve geral iniciada às 20 horas de quarta-feira afeta principalmente trens intermunicipais e o Aeroporto Internacional de Orly, no sul de Paris, onde 30% dos vôos foram cancelados e outros partem com atraso. Na capital francesa, metrôs e ônibus circulam quase normalmente. Apesar da mobilização parcial já prevista no setor de transportes, as oito centrais sindicais à frente do movimento esperam uma adesão ainda maior que a paralisação do final de janeiro, que levou 2,5 mihões de pessoas às ruas, segundo os sindicatos.

Há expectativa de maior participação do setor privado, especialmente depois dos últimos planos de reestruturação anunciados e que causam indignação na opinião pública. A petrolífera francesa Total anunciou o fechamento de 555 vagas, apesar de ter registrado lucro de 16 bilhões de dólares no ano passado. A alemã Continental, do setor de autopeças, fechou uma de suas fábricas no norte de Paris e 1.200 trabalhadores vão perder o emprego. Revoltados com os anúncios sucessivos de fechamento de fábricas, os trabalhadores radicalizam as ações de protesto. O diretor-geral de uma unidade da Sony, no sudoeste da França, foi mantido refém pelos empregados durante uma madrugada. O sequestro do executivo só terminou quando ele aceitou aumentar as indenizações de rescisão dos contratos de trabalho.

Centrais sindicais exigem proteção do emprego

O desemprego na França já atinge 2 milhões de trabalhadores. Para enfrentar os efeitos da crise econômica, os sindicatos exigem do governo proteção dos empregos nos setores público e privado, com elevação das multas de rescisão contratual, aumento do salário mínimo e medidas para melhorar o poder aquisitivo da população. O governo francês já adiantou que não vai anunciar novas medidas, além do plano de 2,6 bilhões de euros negociado com os sindicatos em fevereiro.

Centenas de manifestações programadas no país

A greve geral conta com o apoio de 78% dos franceses. As centrais sindicais têm 213 manifestações programadas nas principais cidades do país.

quarta-feira, 18 de março de 2009

Transporte coletivo na China

Assista o impressionante vídeo abaixo. Trata da forma chinesa de "empacotar" gente nos transportes urbanos.

Música para um final de tarde...

Estou no trabalho. E enquanto faço uma coisa, e penso na seguinte, escuto o que há de bom. E divido com você. Se ligue! Ouça também Billie Holiday. Acesse aqui o link de um vídeo dela no you tube.

Uns dias fora do ar...

Pela primeira vez, desde que inaugurei este blog, fiquei tanto tempo fora do ar. Ou melhor, sem postar nada. É que estou na coordenação de uma pós, até o dia 08 de julho, e este é o mês de fazer relatórios para a CAPES (o temível Coleta Capes, quem da trabalheira que é preencher o dito cujo). Mas, aos poucos, estou de volta.

Orlando Mirando no ataque

O Professor Orlando Miranda, um dos melhores professores de sociologia que já passou pelas salas de aula da UFRN, agora desfrutando de uma mais do que merecida aposentadoria, manda me avisar que está se dedicando à análise do mundo dos esportes. E já tem coisa boa do Orlando para você conferir. Acesse aqui o blog BolaRolando.

sábado, 14 de março de 2009

Saudades de João Régis

Há um ano, mais ou menos, perdi um grande amigo, o advogado João Régis. Assassinado friamente, por pistoleiros, em frente à sua casa. Régis foi militante do PT nos anos oitenta. No final daquela década, desiludido com a militância política, construiu uma brilhante carreira de advogado trabalhista. Quandos os sindicatos, mesmo aqueles que se diziam combativos, começaram a funcionar como pequenas máfias, máquinas de corrupção comandadas por pessoas apenas na retórica pertencentes à esquerda, Régis decidiu sair da área. Era um dissidente por excelência.

De volta à Natal, para trabalhar na UFRN, em 2002, passei a me encontrar regularmente com o velho amigo. Sua companhia era sempre prazerosa. Amante do bom papo, dos livros e do café, Régis era uma das razões pelas quais eu acreditava que valia a pena apostar em Natal. A sua morte pesa muito. Sempre que vou a um dos cafés em que nos encontravámos, pensando nele, bate uma vontade danada de chorar pela ausência do amigo.

Nada foi apurado quanto aos mandantes de sua morte. Não tenho muitas esperanças a respeito. Régis era um inquieto e um homem de posições firmes e, não raras, assumidas com radicalidade e solidão. Muito provavelmente, por causa delas, direta ou indiretamente, foi assassinado. Não tinha, e isso foi investigado, nenhum inimigo pessoal.

O registro na memória dos vivos, essa a marca deixada pelos que viveram com dignidade as suas existências. João Régis foi um deles.

Marcos Lanna, Delfim Netto e um dia que valeu a pena na UFRN

Ontem foi um daqueles dias em que a gente sente que a Universidade ainda vale a pena. Após um período de reuniões departamentais mais parecidas com terapias grupais de inimigos fidagais, tivemos, aqui na UFRN, um dia de discussões de altíssimo nível sobre a antropologia e a sociologia. O tema central foi a dádiva. De quebra, discussões sobre Lévi-Strauss, Marcel Mauss, Pierre Clastres, Gilberto Freyre e outros. O responsável por esse dia foi o Professor Marcos Lanna, da UFSCAR. Tivemos uma aula inaugural da pós de Ciências Sociais, pela manhã, e, no finalzinho da tarde, uma conversa descontraída sobre os trabalhos mais recentes que o professor vem desenvolvendo.

No meio da conversa, ao enfocar os desafios colocados para uma análise sociológica da vida econômica no Brasil, Lanna chamou a atenção para as análises qualificadas que o Delfim Netto vem produzindo nos últimos tempos. Por isso, para satisfazê-lo, coloco aqui um texto do famoso (e um tanto quanto controverso) economista e ex-ministro.

quarta-feira, 11 de março de 2009

A direita e a morte

Transcrevo artigo, publicado no jornal argentino Página 12, tratando da morte (ou, se quiser ser mais preciso, de certa abordagem sobre ela que viceja em certos espaços políticos e ideológicos).

La droite la mort
Por Mario Goloboff *


“La derecha la muerte.” Con este título encabezaba la célebre escritora francesa Marguerite Duras una de sus escasas y alarmadas notas en el diario Le Monde, cuando parecía que el poder se les escapaba ya a los socialistas, arribados al gobierno, casi milagrosamente, en 1981, de la mano de François Mitterrand, uno de cuyos primeros actos públicos fue conceder la ciudadanía a dos escapados de regímenes totalitarios, Milan Kundera y Julio Cortázar (este último venía solicitándola, sin éxito, desde hacía muchos años). Otro acto, más trascendente aún, en el país de la guillotina y los ajusticiamientos a mansalva, y contra la mayoritaria opinión de sus conciudadanos, fue la abolición de la pena capital.

La autora de Moderato Cantabile y de El amante, y del guión, entre otros grandes títulos, de Hiroshima mon amour, quien sucumbiría al cáncer y al alcohol antes de finalizar el siglo, alertaba entonces contra el desértico paisaje que se presentaría a los franceses si las maniobras políticas y el discurso de la derecha lograban imponerse en el seno de la sociedad europea: la pérdida de la diversidad, de la pluralidad, de lo multiétnico y lo multirracial, de lo multicultural, la diferencia, la contradicción, la riqueza, en fin, que es lo que hacen poderosa e irradiante una cultura, una nación, una comunidad.

No casualmente me viene ahora a la memoria aquel artículo, a la vista de estos tres (auto)decididos representantes políticos de la derecha vernácula, de sus camisas blancas, de esas corbatas lisas tan prolijas, de estos apellidos de abolengo, aun cuando provengan de la inmigración italiana y española, puesto que de dónde habrían de provenir apellidos que se quieran argentinos. Galantes, caballerescos, tan pulcros, tan higiénicos, exteriormente, aparentemente limpísimos, profunda y absolutamente vacíos, diciendo nada sobre nada, mientras, el mismo día, el alud de Tartagal arrastra barro e inmundicias, y el torrente de la miseria salta, desde Salta, a los ojos y al cuello de los argentinos, y grita todo lo que aún falta en esta tierra condenada durante décadas de explotación por parte de los hombres de ciertas clases sociales, tan bien representadas, vamos, por estos señoritos.

Los mismos que hoy, sueltos de cuerpo, alegres y modernos, proclaman que el primer y único problema de “la gente” es la inseguridad, por sobre ningún otro. No es ni el hambre, ni la desnutrición, ni la mortalidad infantil, ni la pobreza, ni la falta de agua, de cloacas, de luz, de pavimento, de vivienda, de trabajo digno, ni el analfabetismo, ni el paco, ni los embarazos de miles de niñas y de adolescentes, ni los consiguientes miles de abortos clandestinos y de consiguientes muertas, no, nada de eso es un problema tan grave como el de la in-se-gu-ri-dad. Que nos saquen lo poco, o más bien mucho, que tenemos. Ya lo dijo Jules Romains: “Situarse a la derecha es temer por lo que existe”. Y en la primera línea de un libro clásico de Simone de Beauvoir, El pensamiento político de la derecha: “Bien sabido es: los burgueses de hoy tienen miedo”.

¡Qué notable! Pocos días después, en una no tan impensada, inesperada y complementaria coincidencia, ante el asesinato de su mal nombrado y mal amado florista, “la Diva”, abundante en todo tipo de bienes terrenales, da la respuesta exacta; la que ellos, todavía, no se animaron a nombrar: a la inseguridad, al delito, al robo, la muerte; a la muerte, la muerte. En esta rejuvenecida ley del talión para pantalla plana (“Los que matan deben morir”) vuelve a escucharse, como un eco esperpéntico, al célebre manco del franquismo José Millán de Astray: “¡Viva la muerte!”.

¿Será esto la derecha, mal que les pese a quienes pregonan el fin de las ideologías? ¿Su solución, en todo tiempo, para todos los problemas, es la eliminación física del otro, del distinto, del asocial, del excluido, su aniquilación, su borramiento? Para buscar otros caminos, tan complejos como el problema mismo, profundos y difíciles, están los que piensan en las causas económicas y sociales, ambientales y culturales, los que se ocupan de los derechos humanos “y todas esas estupideces”. Inocente asociación, claro está.

Como la de la segunda interrupción de Millán de Astray al discurso de don Miguel de Unamuno, en la Universidad de Salamanca, luego de aquel primer grito primitivo. Fue con otro no menos necrófilo: “¡Abajo la inteligencia!”. Pareciera haber consignas que van necesariamente juntas...


* Escritor. Docente universitario.

O FMI e a queda da economia

terça-feira, 10 de março de 2009

Ainda sobre história da vagina


Boa notícia! O livro sobre o qual comentei mais abaixo, a respeito da história da vagina, também foi publicada em espanhol.

A diferença que faz ter uma vagina


Não estou em um bom momento. A qualquer hora, por razões que não vou ficar torrando a paciência de vocês, um oficial de justiça baterá à minha porta para que eu pague, dentro de três dias, trinta e seis mil reais. É dinheiro prá caramba, pelo menos para este reles professor. Tudo isso é fruto de uma refrega política de antanho, de um tempo imemorial... Coisa do tempo em que eu trabalhava em uma instituição na qual o medo imperava...

Ok, deixemos de lado as coisas tenebrosas... O fato é, como eu ia dizendo, que não estou em um bom momento. Para superar, ao menos fantasiosamente, os meus fantasmas reais, busco ler coisas singulares. Na Amazon, encontrei, após visitar o fantástico blog Que Cazzo é esse? e ver ali a indicação do livro, o fantástico "The Story of V: Opening Pandora's Box". Li a introdução, que o site disponibiliza o acesso, de sofreguidão. É uma linguagem de arrepiar os neocons (as beatas, no fundo eu sei, adorariam a leitura).

A autora, Catherine Blackledge, pergunta-se, em certa altura, o que significa ter uma vagina. Contra febre, rouquidão, depressão e perseguição, leia o livro. Ou, se for um cara assim "tipo" Edmilson, leia ao menos o que está disponível no site da Amazon. E sonhe com o dia em que você vai bater na loteria e poder comprar todos os livros que quiser. Eu, além disso, vou passar uns dias na Riviera Francesa. Ou ao menos na Praia de Imbassay, ali no litoral norte da Bahia. E, de quebra, já que eu estou delirando mesmo, passarei uns seis meses sem participar de reunião de departamento. Ué, não posso sonhar com isso? Bueno, aproveite e acessse aqui a página do livro.

segunda-feira, 9 de março de 2009

Marcos Lanna na UFRN

Marcos Lanna, professor de antropologia da UFSCAR e autor, dentre outro, do livro "A dívida divina - troca e patronagem no Nordestes brasileiro", ministrára a aula inaugural do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais. Intitulada "Compadrio, sacrifício, votos, trabalho, chefia: desigualdades e constituição do social", a aula ocorrerá no dia 13 de março, sexta-feira próxima, no Auditório da Filosofia (antigo CONSECÃO). O horário? 9 horas.

A candidatura de Dilma: uma avaliação

Trancrevo abaixo um artigo da lavra de Aldo Fornazieri, professor da Escola de Sociologia e Política. Publicado no jornal O Estado de São Paulo, o texto de Aldo é uma interessante análise sobre os limites e as potencialidades da candidatura da Ministra Dilma. Confira!

O desafio de Dilma
Aldo Fornazieri

O mundo vive um acentuado paradoxo: por um lado, estão aí as avassaladoras determinações das estruturas econômicas globais, que tornam relativas e enfraquecem as soberanias nacionais; por outro, a contrapartida dessas determinações está a exigir a presença de líderes políticos fortes para resgatar e operar as autonomias estatais. No mundo globalizado, os Estados nacionais precisam internacionalizar-se de forma quase desesperadora. Terão mais facilidade de triunfar aqueles que contam com líderes fortes e competentes no leme do governo. Governantes que não possuem força política própria tendem ao fracasso. O ex-presidente George W. Bush, por falta de força política própria, fracassou e arrastou para a crise o Estado norte-americano.

Há que notar ainda que, nas sociedades complexas e fragmentadas do nosso tempo, o ponto de concentração do que ainda se pode chamar de unidade nacional depende, de forma extraordinária, da capacidade de representação simbólica de um presidente da República ou de um primeiro-ministro. Barack Obama, neste momento inicial, e Lula, há mais de seis anos, são exemplos positivos dessa excepcional capacidade de representação simbólica do sentimento nacional.

No Brasil, seja quem for o futuro presidente, não será uma tarefa fácil substituir o atual. Lula lastreou sua liderança na reorganização do movimento sindical, na construção de movimentos sociais, na viabilização de um partido socialmente organizado, em cinco candidaturas presidenciais e em milhares de eventos políticos por todo o Brasil ao longo dos anos. Se há alguém que possua força política própria junto ao eleitorado, trata-se do presidente Lula.

É sabido que, por se constituir também de uma natureza simbólica, a força política própria de um líder é intransferível. O líder pode, sim, em determinadas circunstâncias, quase sempre excepcionais, emprestar seu apoio para a ascensão de alguém que lhe seja próximo ou por ele ungido. Trata-se daquilo que se poderia chamar de "fabricação" de uma nova liderança ou de um governante. "Fabricação" porque este novo governante não enraíza a sua força política num processo próprio e socialmente orgânico de ascensão, mas na força alheia e nas estruturas institucionais de poder.

Nos dias de hoje, a "fabricação" de um governante é facilitada pelo marketing e pelos meios de comunicação de massa. O fenômeno não é novo. Um dos primeiros a explorá-lo teoricamente foi Maquiavel. A tese do autor de O Príncipe é a de que aquele que ascende ao poder pelo seu próprio valor e capacidade (virtù) terá facilidade de se manter e de governar bem o Estado. Já aquele que ascende pela fortuna (sorte) ou pela força de outro terá dificuldade de governar. Esta segunda premissa vale tanto para os políticos que são negligentes e incompetentes quanto para os dotados de capacidade e audácia. César Bórgia, que ascendeu ao poder graças à força de seu pai, o papa Alexandre VI, é um exemplo de líder competente que fracassou por não ter uma estrutura própria de poder e de liderança. Quem não tem força política própria enfrentará vicissitudes para combater, para manobrar, para unir e para comandar. Claro que há exceções em tudo isso.

A história recente ratifica, por inúmeros exemplos, a tese de Maquiavel. Governantes que chegaram ao poder pela sorte (acaso) ou pela força de outro líder tiveram enorme dificuldade para governar: George W. Bush chegou ao poder pela fraude e pela força do pai; Celso Pitta, pela força de Paulo Maluf; José Sarney, pela morte de Tancredo Neves; Itamar Franco, pela renúncia de Fernando Collor de Mello; e Cristina Kirchner, pela liderança do marido. Collor de Mello, que se viabilizou no próprio contexto da eleição, foi um epifenômeno e também fracassou.

Em países com representação política fragmentada e com forças dispersas, como é o caso do Brasil, já é difícil governar em condições normais. É precisamente nos momentos de crise que os governantes carentes de força política própria enfrentam os maiores perigos. Nesses momentos, os grupos políticos, pelo seu egoísmo inerente, tendem a exasperar interesses, potencializando a fragmentação e a corrupção. O desfecho dessas conjunturas são crises de governabilidade.

A candidatura de Dilma Rousseff à Presidência da República está inscrita no mesmo dilema proposto por Maquiavel. Com bom preparo técnico e experiência gerencial, carece, no entanto, de força e liderança política próprias. Isto, em si, não é um empecilho para vencer uma eleição, mas pode gerar significativas dificuldades para governar. No governo, a capacidade de comando (virtù) deve presidir a capacidade técnica. A capacidade de comando político não se adquire apenas pelos livros ou nos bancos escolares, mas, principalmente, pela experimentação prática.

Para que Dilma chegue à disputa presidencial com este problema parcialmente resolvido, ela, o PT e o presidente Lula terão de encontrar um caminho que viabilize um processo de sua legitimação política e de dotação de força própria junto ao eleitorado. A democracia norte-americana, com seu mecanismo de prévias partidárias, é extraordinária nesse sentido. Obama, líder novo no cenário nacional, legitimou-se por si mesmo no processo de prévias. Soube perceber e interpretar a ocasião.

Nos termos postos neste artigo, os possíveis candidatos da oposição - José Serra e Aécio Neves - estão em condições mais adequadas para concorrer. Ambos são governadores. Serra foi prefeito, deputado e senador e Aécio foi presidente da Câmara dos Deputados. Para superar seu passivo em liderança própria, além de encontrar um processo legitimador junto ao eleitorado, Dilma terá de correr contra o tempo, já que falta pouco mais de um ano para as eleições.

Aldo Fornazieri é diretor acadêmico da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP)

sexta-feira, 6 de março de 2009

Uma boa estação na internet

A Cultura FM - da Fundação Padre Anchieta - é uma boa opção para quem quer ouvir algo de bom gosto na internet. Acesse aqui o site da rádio.