quarta-feira, 31 de março de 2010

Lançamento de livro


Blogueiro na TV

Logo mais, a partir do meio dia, estarei na InterTV Cabugi, participando do RN TV. Irei comentar algo sobre as pesquisas a respeito do crescimento da criminalidade no interior. Se não tiver nada mais importante prá fazer, ligue a TV.

terça-feira, 30 de março de 2010

Nova Esquerda?

"Lá se vão muitos anos denunciando que a esquerda tradicional se especializou em sonhar com aquilo que nunca irá fazer e em fazer aquilo que nunca sonhou. Nenhum resultado apreciável. Antes disso, uma série de decepções que só têm se alargado. Já não acho que terei a chance de ver o surgimento de uma nova
esquerda."


Marcos Rolim.

Marcos Rolim é cidadão de Porto Alegre

Uma justa homenagem a um destacado ativista dos direitos humanos e um dos mais competentes e íntegros políticos que eu tive o privilégio de conhecer. Pois é, o Rolim foi agraciado, pela Câmara Municipal de Porto Alegre, com o título de cidadão portoalegrense. Confira aqui o belo discurso por ele proferido quando do recebimento da comenda.

Música para celebrar a vida

Conversa com o autor: Gabriel Cohn

Gabriel Cohn é um dos mais importantes cientistas sociais brasileiros. É o sociólogo brasileiro com maior conhecimento na obra de Max Weber. Você poderá saber um pouco mais sobre ele e sobre sua obra assistindo aos vídeos postados abaixo. Clique! Vale a pena!





Bom dia!

De volta!!

Estive em São Luis da quinta pro sábado. Ontem, participei da banca de tese da Irene Vandenber, orientanda do Professor Luis Assunção, esse grande mestre. Agora, um tanto refeito da maratona, retoma ao batente. Mas já há uma reunião me esperando...
Assim que for possível, volto ao teclado.
Um abração!
Vou buscar uma música para vocês!

quinta-feira, 25 de março de 2010

400 contra 1, o filme

Polêmica antes mesmo do lançamento. Jogada de marketing? Pode ser! Mas, dada a fonte de produção discursiva negativa a respeito da obra, aumentam as minhas dúvidas. É o pessoal da Nova Direita que está chiando. Reclamam do fato de um filme que, segundo eles, exalta o Comando Vermelho , ter recebido apoios e incentivos de empresas ligadas ao Governo Federal. É esperar prá ver. Por enquanto, é conferir o trailer.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Auxílio religioso

No blog Que cazzo é esse?!!, pilotado por Cynthia Hamlin, Jonatas Ferreira (Professores do Departamento de Ciências Sociais e do PPGS da UFPE) e Artur Perrusi (Departamento de Ciências Sociais e PPGS da UFPB), encontrei um interessante artigo do Professor Péricles Andrade (PGCS/UFPE). Pode fornecer alguns aportes para os que estudam sociologia da religião. Clique aqui e confira! Não me contive e reproduzo abaixo algumas das fotos que ilustram o ótimo texto.




A Europa é ocidental?


Bueno, leia a matéria abaixo e tire você mesmo a conclusão.

REPORTAJE
Europa avanzó sobre un río helado
Una muestra y un ensayo de Ruiz-Domènec revisan el proceso de construcción del continente
J. M. MARTÍ FONT - Barcelona - 24/03/2010

En medio de una de las peores crisis financieras y económicas de los últimos 100 años, nos disponemos a atravesar el ecuador de la presidencia española de la Unión Europea, la primera desde que se pasó de 15 a 27 miembros, y la pregunta ya no es ¿para qué sirve Europa?, sino ¿qué es Europa? Una exposición en la Biblioteca Nacional, Europa en papel, y un ensayo del historiador José Enrique Ruiz-Domènec: Europa. Las claves de su historia (RBA), intentan, cada una a su modo, responder a esta pregunta.

Lo primero que resulta obvio cuando cae el muro de Berlín y se cierra el despropósito de la guerra fría -aunque muchos se resistan todavía a reconocerlo sin tapujos- es que Europa no es Occidente. También, que hay periferias y periferias. Varsovia, por ejemplo, está más cerca de Bruselas que Madrid, y eso es algo que algunos eurócratas tardaron en asimilar.

"Europa no es Occidente", confirma Ruiz-Domènec, "puede ser occidental o no, pero su destino no puede ser occidental". La unificación de Alemania, añade, fue la unificación de Europa, en tanto que la guerra fría fue un periodo de excepción "porque fue diseñada por dos personas que, por razones obviamente diferentes, no querían que existiera Europa: Roosevelt y Stalin".

La exposición de la Biblioteca Nacional hace hincapié en la herencia de la Grecia clásica y sitúa en el Imperio Romano el punto de partida del sueño europeo. En los sistemas sociales, en el arte, en el derecho, en la literatura, en la filosofía, en la arquitectura o en los mosaicos de Pompeya. Una edad dorada que, de golpe, en el siglo V se precipita por un agujero negro -la edad oscura- que se prolonga hasta el mundo carolingio e incluso hasta bien entrado el segundo milenio, ya cerca del Renacimiento. Según esta teoría, el continente se recompone con la Ilustración.

Ruiz-Domènec, un medievalista, lo ve de otra manera. "No es Roma la que configura Europa. Uno de los prejuicios que más cuesta cambiar es la creencia de que Roma es un imperio europeo. Es un imperio panmediterráneo que perdura 10 siglos cuando en Occidente ya ha desaparecido".

¿Entonces, cuándo nace Europa? Cuando arranca la edad oscura con la caída del Imperio Romano (de Occidente). El historiador lamenta que nuestro sistema formativo no dé a ese periodo la importancia que tiene. Pocos saben quienes fueron Boecio -un Émile Zola avant la lettre-, Gregorio de Tours, Beda el Venerable o Alcuino de York, entre otros pensadores de aquel momento crucial de la historia.

Y en su libro relata cómo la multitud de pueblos que se movían del otro lado del límite que formaban el Rin y el Danubio, y cómo conocían perfectamente las ventajas de ser romanos, decidieron serlo. "La miseria no impulsa a un pueblo a emigrar lejos de su hogar, sino el deseo de imitar el mundo de los ricos", escribe. "La noche de san Silvestre del año 406 el Rin se heló. Miles de hombres mujeres y niños lanzaron los carromatos sobre el río, y el hielo aguantó. No necesitaron puentes para atravesarlo. Las tropas imperiales quedaron desbordadas por la avalancha; pero nunca sospecharon el papel que les reservaba la historia. Con ese gesto comenzaron las invasiones bárbaras en Occidente. La muralla se agrietó. Nunca volvería a restaurarse".

Fue entonces cuando nació Europa, asegura Ruiz Domènec. Y sólo un medievalista como él es capaz de explicarlo, porque trabaja con los orígenes y las raíces de forma interdisciplinaria: usando la antropología, la arqueología o la sociología.

"Europa es un juego de espacios políticos muy diversos en la que intervienen múltiples tradiciones, incluida la bizantina, que no podemos olvidar porque forma parte de un núcleo duro de Europa, que llega hasta Rusia". La historia del continente está hecha de contrapuntos y si no puede prescindir de Bizancio, menos aún de Occidente y de las dos grandes potencias marítimas periféricas: las islas Británicas y la península Ibérica. "Europa necesita seducir y evitar el aislamiento de Gran Bretaña y su escoramiento hacia Estados Unidos y también a España, que como a Inglaterra, le ha costado mucho integrarse".

¿Y la Ilustración? ¿No es ése el elemento definitorio de las sociedades europeas que nos lleva hasta el presente? Tampoco comulga del todo con esa idea. Europa sería más romántica que ilustrada. "La Ilustración francesa y alemana no se pusieron de acuerdo. El mundo de Goethe no logró establecer contacto con Les Lumières y la Revolución Francesa puso fin a los posibles contactos", explica. "De ese fracaso, el Romanticismo forma la síntesis. El Romanticismo se apropia de los valores de la Ilustración pero los subvierte. Y hoy en día el Romanticismo está en plena vigencia, lo que prueba que la Ilustración no cristalizó como los ilustrados hubieran deseado".

De ese Romanticismo salen algunos de los peores demonios de Europa. "Los fascismos son románticos, en buena parte, al menos en su caldo de cultivo: es la idea de la tierra, del sueño como terror. Todo esto no era pensable por la Ilustración, que hubiera creado otro tipo de Estados autoritarios, otro tipo de desastres si se quiere, pero no la locura del nazismo".

El Romanticismo sería el ideal sobre el que hemos construido la Europa actual. "Nos gusta el lugar que ocupa la tierra y la lengua de cada uno dentro de un cosmos más o menos ordenados; nos gustan las viejas ciudades reconstruidas, nos gusta Rotemburgo, Carcasona o el barrio gótico de Barcelona. El europeo ha creado su patrimonio cultural y nadie lo discute, pero esa reconstrucción, esa restauración de un pasado, es la antítesis del pensamiento ilustrado, que lo que proponía era deshacerse de un pasado oscurantista y construir encima de él, aun destruyéndolo. Y con el Romanticismo se cuela también la religión, el hecho religioso, que tiene ahora, en pleno siglo XXI una presencia extraordinaria. Si Jean-Paul Sartre levantara la cabeza nos tomaría por locos".

Europa, más que los Estados y los imperios, más que las religiones, son las ciudades. Y eso es algo que se ve con extraordinaria claridad en la muestra de la Biblioteca Nacional. Y Europa está construida sobre el sentido moral de los artesanos, de los constructores de catedrales, que no es una moral religiosa, sino un sentido del trabajo, de la relación humana, del imperativo categórico kantiano y del liderazgo moral de Max Weber.

Confira o ótimo blog da Mara Paula

Mara Paula, uma estudante de direito de Fortaleza, pilota uma ótimo blog. Poesia, política, direitos sociais, cultura e muito mais você encontra por lá. Confira aqui!

terça-feira, 23 de março de 2010

Entrevista de Todorov

Leia aqui uma entrevista (em espanhol) com Tzevetan Todorov. Vale a pena!

Uma leitura diferente

Politeísmo e globalização, esse o título de um artigo publicado na sempre muito boa REVISTA DE OCCIDENTE. Acesse-o aqui.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Música para quem ainda está no trabalho.

Final de tarde. O Campus da UFRN vai sendo tomado pelas sombras da noite. O cansaço do dia vai chegando com toda a sua crueza. Mas valeu a pena! Para comemorar, já que não tenho o vinho, conforme comentário do Guru no post abaixo, convido-te a clicar abaixo e ouvir Schubert. É um bom espanador para os ruidos da mesmice e um bálsamo para a alma.

Salve, salve!

Guru de volta. No post abaixo, podes conferir, o Guia nos dá o ar da graça. Bom retorno!

Música...

A disputa eleitoral de 2010 na análise de Alon

Mais uma vez, aí embaixo, transcrevo artigo de autoria do jornalista Alon Feuerwerker. Foi publicado ontem no CORREIO BRASILIENSE. Você também pode encontrá-lo no blog que o jornalista mantém. Lá, além deste, você vai encontrar outros materiais de boa qualidade. Confira aqui.

Variáveis eleitorais (21/03)

Esta hora costuma ser espiritualmente boa para os candidatos, por terem conseguido superar a fase de “pré” e enxergarem estrada bonita pela frente. Não há político antecipadamente derrotado

Vai começar, agora para valer, a campanha presidencial que já começou faz tempo. Passados os treinos de preparação, apresentações, entrevistas coletivas, sem falar nas obrigatórias especulações sobre o design e o projeto de cada um, como ficou o grid? Mais ou menos do jeito imaginado. Há uma candidatura na oposição com cerca de um terço dos votos, uma na situação com o mesmo tanto, talvez ainda algo atrás, e uma outsider a pendular entre ambos, encostando nos 10%.

A trajetória de Dilma Rousseff é animadora. Ela chega vitaminada pela intensivíssima pré-campanha do popularíssimo presidente e pela inédita unidade do PT —nascido como partido de tendências, transitado pelo estágio de partido de massas e agora consolidado como partido de líder.

José Serra (PSDB) mostra resiliência digna de atenção, defendeu bastante bem o mercado eleitoral dele, sem maiores concessões prematuras.

Marina Silva (PV) sobreviveu às especulações da pré-temporada e cuida de não ficar presa no cercadinho puramente ambientalista. Aliás, é curioso ela não ter sido objeto de ataques especulativos mais letais, ao contrário de Ciro Gomes. Os argumentos para o PSB não lançar Ciro valeriam também para Marina e o PV, em tese.

Este costuma ser instante espiritualmente bom para os candidatos, por terem conseguido superar a fase de “pré” e enxergarem estrada bonita pela frente. Nenhum deles, obviamente, acredita estar diante de miragens.

O político nunca se sente derrotado de véspera. E ser candidato viável a presidente é delicioso. Melhor que isso? Só ganhar.

Enquanto a carnificina e o sofrimento não vêm, tudo é alegria, novidade. Os felizardos colhem páginas e mais páginas nos jornais, revistas e internet, recebem a atenção e a cerimônia reservadas aos potenciais vitoriosos, são tratados como quase presidentes, ou presidentes virtuais.

As fraquezas vão aparecer mais à frente, quando chegar a hora do embate, ou debate. Qual é a debilidade de cada um?

Marina vai lutar para não ser prematuramente desidratada pela tendência polarizadora. Ela tem feito a parte dela, empregando capital político próprio na missão.

Vamos ficar de olho na resistência da senadora do Acre quando os fatos da vida política se impuserem, na hora do pega. A vida de Marina tem sido bonito exemplo de suave obstinação, orientada por “utopias do bem”. Talvez seja o caso de dar crédito à capacidade de ela se defender.

Já Dilma enxerga desafios opostos aos da ex-colega de PT. A ministra foi até aqui carregada por Luiz Inácio Lula da Silva e pelo partido, mas eles não podem entrar no ringue.

Entre as esperanças do oposicionismo está a hipótese de Dilma encontrar dificuldade na hora de ser ela própria. Eu não contaria com isso, pois tudo na vida tem uma primeira vez. Outro problema de Dilma? O “já ganhou”. Não existe precedente de ter dado certo.

E Serra? O governador vai para sua enésima eleição. Vem resistindo bem às pressões, mas o desafio é gigantesco: convencer o país a eleger alguém da oposição, num país convencido de que nunca como hoje as coisas caminharam tão bem.

Para usar expressão típica de Serra, não é trivial. Está muito longe de ser.

A pré-temporada foi cheia de idas e vindas e ainda falta acertar detalhes. Falta definir os coadjuvantes. No PSDB, se Aécio Neves não ocupar a cadeira de vice isso será lido do lado de fora como sinal de fraqueza. No PMDB, Michel Temer resistiu bravamente às labaredas lançadas pelo Planalto, mas ainda não se garantiu. Já Marina não depende tanto do vice. A candidatura dela é ela.

E como as forças vão se dispor no desenvolvimento do processo? Pelo desenho até agora, os quase 10% de Marina tenderiam mais para Serra do que para Dilma num eventual segundo turno disputado pelos dois líderes nas pesquisas.

Isso significa que Dilma, em teoria, deveria esforçar-se para levar no primeiro turno. De onde viriam os votos? Talvez dos eleitores que desejam apoiar “o candidato de Lula” e ainda não sabem que esse personagem é Dilma.

Mas segundo turno é vantajoso para Serra por definição? De bom, ele teria o tempo de televisão igual e a escassez de novos apoios para a adversária. De ruim, a polarização escancarada, com campanha todo dia no horário eleitoral, com Lula todo dia no horário eleitoral.

Será que a overdose de Lula vai mesmo decidir a parada a favor de Dilma? Qual é o limite a partir do qual o apoio será inócuo?


Coluna (Nas entrelinhas) publicada neste domingo no Correio Braziliense.

O cara...


Os médicos e os pacientes terminais

O que fazer? Como lidar com pacientes terminais? Qual o tipo de comunicação estabelecer com eles e seus familiares? Essas questões incomodam (ou deveriam) os médicos. Leia abaixo interessante matéria a respeito, publicada na edição de hoje do EL PAÍS.

REPORTAJE:
Si hay que morir, mejor saberlo
El paciente debe conocer a qué se enfrenta y recibir un mensaje de esperanza - Los médicos no están formados para comunicar ese desenlace
JAIME PRATS 22/03/2010


¿Mejor soltarlo de golpe o poco a poco? ¿O dejarse llevar por la presión de los familiares y no contar toda la verdad? ¿O acaso escurrir el bulto y ceder la responsabilidad al médico residente? Uno de los actos asistenciales más complicados y desagradables al que probablemente cualquier médico se enfrentará a lo largo de su vida profesional no tiene que ver con saber curar, diagnosticar o avanzar un pronóstico, sino con ser capaz de transmitir adecuadamente a su paciente una mala noticia o, incluso, la peor noticia sobre su estado de salud. Y la clave para trasladar correctamente este mensaje tan poco gratificante, según apuntan los especialistas, consiste en decir siempre la verdad pero poco a poco, adaptándose a la capacidad de asumir la información del propio paciente y su familia, y en un ambiente lo más acogedor posible.

En una sanidad cada vez más tecnificada, como la actual, la principal herramienta del doctor en estas situaciones, frente a frente con su paciente, no es ningún equipo de última generación, sino, más bien, confiar en algo tan barato como su capacidad comunicativa, sus facultades para empatizar con el enfermo y de poder gestionar la tensión emocional del momento, unas habilidades que, tradicionalmente, no se han enseñado en la universidad. "Es de los actos médicos más difíciles que hay y, a pesar de ello, no se enseña a hacerlo", reflexiona Marcos Gómez Sancho, responsable de la unidad de paliativos del hospital Gran Canaria Doctor Negrín y uno de los pioneros de este tipo de asistencia en España.

Y es tan complejo por distintos motivos. Por un lado está la negativa de la familia, con la mejor intención, a trasladar al enfermo la gravedad de su situación. "Esto es frecuentísimo, me atrevería a decir que sucede en un 90% de los casos, y aún me quedo corto", indica Gómez Sancho, autor del libro Cómo dar las malas noticias en medicina. Este paternalismo, precedido por frases del estilo "yo le conozco y sé que no le conviene nada saberlo", mucho más frecuente en sociedades latinas como la española que en las anglosajonas, "sabemos por experiencia que es contraproducente", indica este especialista en asistencia a pacientes terminales.

ello se suma lo que Antonio Pascual, responsable de la unidad de cuidados paliativos del hospital de la Santa Creu i Sant Pau de Barcelona, denomina la "cultura del escamoteo de la muerte". En una sociedad como la actual en la que se idolatra la juventud, la imagen y la salud, "llegamos a creernos inmortales y existe una conducta generalizada de evitar la muerte". Todo ello se traduce en una "actitud social de ocultación de la realidad" que hace mucho más duro asumir este tipo de informaciones y, también, trasladarlas por parte de los médicos.

De hecho, hay varios estudios que ilustran claramente esta circunstancia. Un ejemplo de ello son los datos de los enfermos que acceden a la unidad de paliativos del hospital de la Santa Creu i Sant Pau. De los 600 que llegan cada año, todos ellos personas en situación terminal, el 45% desconoce que su tumor está tan avanzado que no tiene curación. Es decir, a todas estas personas ningún médico les ha expuesto con claridad su estado de salud o, si lo ha hecho, el mensaje no ha llegado correctamente a su destinatario. "La mayoría de ellos sabe que tiene cáncer, pero no sabe que es incurable", insiste el responsable de la unidad, Antonio Pascual.

Otros estudios inciden en los factores que explican los fallos de transmisión de este tipo de informaciones. El propio Pascual comenta que en encuestas realizadas a personal sanitario, el 90% sostiene que les gustaría tener una buena información en el caso de que le sucediera algo grave. Pero, paradójicamente, cuando a los mismos profesionales se les pregunta si ellos mismos informarían a un ser querido, la tasa se desploma a porcentajes entre el 40% y el 50%.

Hay otros factores que sirven para explicar esta falta de fluidez en la comunicación, como la escasa formación específica en estas habilidades entre los profesionales, un aspecto que ya se está corrigiendo. "En las facultades de Medicina de Barcelona, Lleida, Las Palmas y Pamplona ya se imparte la asignatura de cuidados paliativos, y en el futuro también se hará en el resto de centros, ya que el plan Bolonia obliga a todas las universidades a impartir esta asignatura", comenta Gómez Sancho. Materias como ésta sirven también de contrapunto a la medicina tradicional obsesionada con la curación, incluso en momentos en los que ya no es posible, lo que lleva en ocasiones a insistir en tratamientos que tienen un margen de éxito muy limitado pero permiten agarrarse a la función clásica de la medicina curativa.

En esta lista tampoco hay que olvidar el exceso de trabajo de muchos de los profesionales que, a veces, no pueden dedicar el tiempo que requeriría explicar adecuadamente a un paciente que tiene una enfermedad incurable. O incluso el desgaste profesional tras años de ejercicio que se traduce, entre otras cosas, en una pérdida de sensibilidad hacia el paciente.

Todos estos factores describen cuál es el escenario actual de la situación. Y explican los fallos que se producen en ese momento tan determinante en la vida de una persona, cuando se le dice que padece una enfermedad grave o que se encuentra en el trayecto final de su vida. ¿Cómo trasladar adecuadamente a una persona que la medicina no tiene recursos para curarle?

La ley establece el derecho del paciente a ser informado. Ya lo hacía la Ley General de Sanidad de 1986, que hablaba de informar al enfermo y sus familiares -lo que Gómez Sancho interpreta como una "aberración paternalista"- y lo hace la Ley de Autonomía del Paciente de 2002, que corrige esta situación y señala como único destinatario al paciente y quien éste autorice. Él es "el dueño y el protagonista de esta historia", como subraya el responsable de la unidad de paliativos de Las Palmas.

Sin embargo, una cosa es trasladar un diagnóstico adverso y otra "disparar a la cara del paciente su situación, escupiendo la información de forma brutal, incluso aventurando plazos de supervivencia del tipo 'a usted le quedan tres meses', algo que no se debe hacer". En países como Estados Unidos, la obligación legal que tienen los médicos de trasladar al enfermo su situación, y el terror que tienen a que los pacientes o su familia presenten una denuncia por no haber cumplido con este deber, ha llevado a que se generalice esta práctica, como indica Gómez Sancho. Es una modalidad de medicina defensiva que aún no ha llegado a España, pero podría hacerlo, como advierte este especialista. "En el caso de ocultar un diagnóstico y, por ejemplo, en lugar de un cáncer de pulmón comunicar que tiene una pulmonía, puede costarle al médico hasta cuatro años de cárcel".

El objetivo es informar, no sólo porque lo diga la ley, sino porque siempre que se haga con sensibilidad, y modulando el flujo de información a las necesidades del enfermo, la vivencia en el proceso final de la enfermedad será mayor. Hasta el punto de que la información se puede transformar en una herramienta terapéutica más. Antonio Pascual recuerda casos en los que, tras derrumbarse la conspiración de silencio que se había levantado en torno al paciente por parte de la familia, a pesar de las dificultades de la situación, los enfermos sienten cierta liberación. "Cuando tienen toda la información te comentan que han podido enriquecerse mucho gracias a la enfermedad, que han tenido la ocasión de vivir experiencias con la familia que no podían imaginar".

Todo este proceso de comunicación requiere unas condiciones especiales, "algunas de ellas muy obvias", pero no por ello menos importantes, como señala Antonio Pascual. "Para informar bien hay que tener un respeto profundo por la persona que tienes delante", señala. "Es una perogrullada, pero es fundamental, así como contar con un espacio adecuado y dedicar el tiempo necesario". Hay temas que no se pueden abordar a la salida de un quirófano, en un pasillo o delegarlas en el oncólogo residente después de pasar visita.

"Hay que decir la verdad siempre", prosigue este especialista. "Pero tan importante como lo que se dice es cómo se dice". Por ello, la obligación del médico es adaptarse a cada persona. "Cada uno tiene una reacción distinta ante la enfermedad y hay que amoldarse a ello". En esta tarea, hay un aspecto central, que consiste en saber por parte de los médicos qué conocimiento de la enfermedad tiene el paciente. "Se suele hacer a través de preguntas abiertas, del estilo '¿Cómo ve usted la enfermedad?". Es un trabajo progresivo, que puede llevar varias consultas y en el que los especialistas tratan de que el paciente se abra.

Una cosa es la información que se cree que se da y otra la que comprende el paciente. "Hay que tener en cuenta su situación de shock y el bloqueo en el que se encuentra el enfermo, que dificulta su capacidad de comprensión". De hecho, hay especialistas que trasladan información por escrito para que pueda ser mejor asumida por el paciente.

La conversación debe concluir con una puerta abierta a la esperanza. "El final siempre debe ser la total disponibilidad del equipo médico y de la continuidad de los cuidados", comenta Pascual. "Aunque pueda parecer paradójico, la información, por muy negativa que sea, debe ir siempre seguida de esperanza, que puede ser la de estar bien cuidado, de garantizar que se le va a tratar el dolor y que el sistema sanitario no lo va a abandonar en el proceso que tiene por delante".

En todo ese proceso, Pascual insiste en que hay una norma clara: "No mentir". "Una cosa es informar poco a poco y otra engañar, eso sólo hace daño". En una situación delicada la confianza del enfermo está depositada en su médico y sus familiares. Si se siente traicionado por ellos, el desamparo es total.

Como para todas las reglas, también para ésta existen excepciones. Una de ellas se refiere al enfermo que prefiere no saber lo que le sucede. "Es algo excepcional, pero hay que tener esta precaución", comenta Gómez Sancho. No es imprescindible que haga explícita su voluntad, con no hacer preguntas sobre su estado es suficiente.

En el otro caso es el médico quien toma la decisión de no informar por considerar que no le conviene al enfermo al encontrarse bajo tratamiento psiquiátrico o presentar antecedentes de intentos de suicidios. Es el llamado privilegio terapéutico. "Siempre que esté debidamente acreditado en su historial clínico, ningún juez podrá rebatir que no se le haya trasladado la información".

E as crianças?


Con los niños, hay que poner aún más cuidado

No es nada fácil para una madre responder a una hija de 10 años cuando ésta le interroga sobre lo mal que debió sentirse al perder a la hija que esperaba tras un aborto. Y mucho menos aún cuando la pequeña que lanza la pregunta va a morir.

Para casos como éste está Carolina del Río, psicóloga de la unidad de cuidados paliativos del Hospital Niño Jesús de Madrid. Parte de su trabajo consiste en dar apoyo a los padres para que estén atentos a estas situaciones, sean capaces de afrontarlas y promuevan la comunicación que necesitan sus hijos. De hecho, el comentario anterior se dio en una conversación sobre la muerte que, sin hacerlo explícito, se refería al fallecimiento próximo de la pequeña.

"El primer impulso es rehuir estas situaciones. Nosotros apoyamos para que den seguridad a sus hijos y ellos se puedan apoyar en nosotros o sus familiares", comenta. "Cada niño expresa esta idea de forma distinta. Otros hablan de ir al espacio. Recuerdo el caso del hermano de un pequeño fallecido que había cargado su mochila de juguetes para viajar y encontrarse con él".
Si todo lo que tiene que ver con transmitir malas noticias a adultos y asistirlos en el último tramo de su vida requiere un extraordinario tacto y un elevado esfuerzo emocional, en el caso de los niños, mucho más. Aunque, paradójicamente, no son los pequeños quienes peor lo pasan, "no están tan influidos por la sociedad y el terror a la muerte, hablan con mucha más naturalidad", apunta Marcos Gómez Sancho, responsable de cuidados paliativos del Hospital de Las Palmas.
En estos casos, más que nunca, la unidad asistencial es el paciente y su familia. El proceso de transmisión de la información sigue las mismas pautas de los adultos: adaptarse al conocimiento que tiene el paciente de la enfermedad, ganar su confianza y la de sus padres. Y contar la verdad: "Cuando un niño ve que su enfermedad va a peor, no hablar de ello es no tomarle en serio; le aíslas y le impides que se comunique", apunta Ricardo Martino, coordinador de la unidad de paliativos pediátricos del Hospital Niño Jesús de Madrid. Pero también tiene sus peculiaridades. Algunas más evidentes, como la de saber adaptarse a la edad de cada niño. Otras lo son menos, como la necesidad de tener en cuenta no sólo a los padres, sino también a los hermanos para evitar que queden traumatizados por la vivencia. "Es fundamental que los pequeños convivan con su hermano enfermo, que se suban a su cama, que jueguen", apunta. "Es mucho mejor esto que, tratando de protegerlo, ocultarle la situación, separarlo y darse cuenta un día de que no va a verlo más". "Intentar normalizar la enfermedad y la muerte es mucho mejor para la construcción de la vida después del fallecimiento", relata.


Mientras aumenta la sensibilidad hacia esta parcela, como demuestra la demanda de cursos sobre cuidados paliativos, la atención, en general, es mejorable. Y especialmente la pediátrica. "Es una de las carencias más importantes que tenemos en España", apunta Gómez Sancho, quien señala que sólo hay tres unidades pediátricas: en Las Palmas, Barcelona y Madrid.


Tome... Ciência

Transcrevo abaixo matéria publicada no Jornal da Ciência, editada pela SBPC.

"Tome Ciência": As muitas formas de educação científica

Programa pode ser visto ao longo da semana, pela TV, e a qualquer hora pela internet
Divulgar os benefícios da ciência ajuda a estimular vocações e permite a defesa de mais recursos para as pesquisas. Consequentemente, mais desenvolvimento, mais avanços.

Mas já há quem conteste o rumo do próprio desenvolvimento baseado nas novas tecnologias. Afinal, houve época em que a ciência podia tudo e que tudo seria possível no mundo a partir dos conhecimentos científicos. De repente, o louvado DDT, o pesticida que permitiu o aumento da produção agrícola, revelou-se desastroso para a saúde. Os CFCs dos sprays, geladeiras e ar condicionado começaram a abrir um buraco na camada de ozônio e tiveram de ser retirados de cena.

Consta que os primeiros e verdadeiros divulgadores da ciência foram os gregos, com sua preocupação de ensinar a arte de pensar e duvidar; valorizando o pensamento como a grande força da vida humana. Repensar e definir o tipo de difusão e educação científica que queremos é o desafio dos convidados do programa.

Participantes:

- Maria de Fátima Brito Pereira, socióloga, diretora executiva da Casa da Ciência/UFRJ, foi eleita presidente da Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciência (ABCMC)

- Henrique Lins e Barros, doutor em física e pesquisador titular do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), já foi diretor do Museu de Astronomia e Ciências Afins, outro espaço dedicado à popularização da ciência, é autor de filmes e obras de divulgação científica e integra o Conselho Editorial do Tome Ciência desde os anos 80

- Nelson Maculan Filho, doutor em engenharia de produção, também conselheiro do programa desde o início, já foi reitor da UFRJ, secretário de Educação Superior do MEC e secretário de Educação do Estado do Rio de Janeiro.

- Rui Cerqueira Silva, doutor em zoologia de vertebrados, é professor titular do Departamento de Ecologia do Instituto de Biologia da UFRJ, com ampla experiência na preparação de professores do ensino médio.

Confira os canais que transmitem o "Tome Ciência":

- Rio TV, canal legislativo da Câmara Municipal do Rio de Janeiro (canal 12 da Net Rio), às 24h de sábado e 8h30 de domingo

- TV Alerj, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, às 19h de domingo, com reprises às 20h30 de quinta, por satélite (Satélite Brasilsat - B4 at 84° W), pela internet (www.tvalerj.tv) e pelos sistemas a cabo das seguintes cidades do estado: Angra dos Reis (14), Barra Mansa (96), Cabo Frio (96), Campos dos Goytacazes (15), Itaperuna (61), Macaé (15), Niterói (12), Nova Friburgo (97), Petrópolis (95), Resende (96), Rio de Janeiro (12), São Gonçalo (12), Teresópolis (39), Três Rios (96) e Volta Redonda (13)

- TV Ufam, da Universidade Federal do Amazonas (canal 7 e 27 da Net), às 23h de domingo, com reprises às 19h de segunda e quinta e às 15h de sexta-feira

- TV Câmara, da Câmara Municipal de Angra dos Reis (canal 14 da Net e internet), às 19h de quarta-feira, com reprises durante a programação

- TV Ales, da Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo (canal 12 da Net), às 9h e 22h de quinta-feira

- TV UFSC, da Universidade Federal de Santa Catarina (canal 15 da Net), às 21h de quinta-feira, com reprises durante a programação

Além disso, o programa pode ser visto a qualquer hora no site
http://www.tomeciencia.com.br

O programa, apresentado pelo jornalista André Motta Lima, conta com o apoio de pauta das sociedades vinculadas à SBPC, além de um Conselho Editorial de cientistas.

Chorar também faz bem


Vale a pena conferir a matéria abaixo.

Chorar é fundamental para a saúde
As lágrimas criam vínculos, fazem relaxar e afastam neuroses

Karelia Vázquez El Pais – O GLOBO



A cultura ocidental tem uma relação difícil com as lágrimas.


São consideradas inúteis, ainda que inevitáveis. Nos fazem parecer vulneráveis ainda que também sensíveis e com certo temperamento artístico. E o que se sabe das funções biológicas e psicológicas das lágrimas é bastante contraditório.


As ideias sobre os benefícios do choro na comunidade científica são díspares.
Algumas correntes científicas sustentam que o pranto tem um efeito relaxante e que ajuda a eliminar substâncias químicas estressantes. A teoria de Oren Hasson, biólogo evolutivo da Universidade de Tel Aviv, no entanto, é bem diferente.


Para ele, o choro nos tolda a visão e nos deixa indefesos.


— É um sinal de submissão que inibe comportamentos agressivos dos outros, pois transmite vulnerabilidade — afirma. — É uma estratégia que nos aproxima emocionalmente dos outros.
Como explicou à revista “Evolutionary Psychology”, as lágrimas ajudam a construir e fortalecer relações. Por exemplo, se várias pessoas choram juntas, criam vínculos muito fortes entre elas. Mas tal comportamento evolutivo não seria eficiente nos ambientes de trabalho, onde se exige e se espera que ocultemos emoções.


Mulheres choram quatro vezes mais que homens


Entretanto, outros cientistas pensam que chorar pode ser uma perda de tempo. Depois de analisarem o pranto de 3 mil pessoas, pesquisadores da Universidade da Flórida e da Universidade de Tilburg, na Holanda, concluíram que os benefícios do choro dependem muito das causas, do momento e das circunstâncias em que ocorre. A maioria dos voluntários que via vantagens em chorar em público, costumava fazê-lo repetida e ciclicamente durante um determinado período de tempo. Segundo os cientistas, o benefício obtido está relacionado ao fato de que quem chora recebe sempre apoio dos demais.
Depois de realizar uma pesquisa com estudantes de medicina, Juan Murube, da Universidade de Alcalá de Henares, concluiu que existem pelo menos 465 emoções distintas pelas quais o ser humano chora.


Admiração, ira, aflição, angústia, ansiedade, confusão e arrependimento são as mais comuns.
Mas todas essas situações se resumem a duas possibilidades: choramos para pedir ajuda ou para oferecê-la.


Sigmund Freud foi o primeiro a dizer que chorar era “libertador”.


Muitos anos depois, na universidade americana Johns Hopkins, outros investigadores encontraram certa relação entre a repressão do pranto e o surgimento de transtornos de ansiedade, úlcera intestinal ou asma. Asseguravam que os indivíduos que não exteriorizam seus sentimentos são mais propensos a experimentar angústia e tensão. Do ponto de vista fisiológico, também se tentou explicar por que o pranto afeta o estado de ânimo.


Para chorar, o ser humano precisa ter um controle muito preciso da respiração, que se traduz em um controle adequado das emoções negativas quando a respiração se torna mais lenta, produzindo um efeito calmante sobre o organismo.


Cientistas asseguram que, quando o choro irrompe depois de uma situação desagradável, o período de calma que se segue sempre supera em muito o tempo de estresse provocado.
Kim Bard, da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, apontou quatro fatores primordiais para explicar por que alguns filmes induzem o choro: a frequência com que choram os protagonistas, o índice de tristeza geral da história, a mensagem positiva final e o grau de felicidade experimentado durante a projeção.


Também segundo Bard, os filmes de alta definição refletem melhor as emoções e fazem os espectadores chorarem com mais frequência.


Está comprovado que as mulheres choram quatro vezes mais do que os homens ao longo de um ano. Segundo a Sociedade Alemã de Oftalmologia, entre meninos e meninas, a frequência do pranto é similar até os 13 anos, quando muda subitamente. Enquanto os homens encontram motivos para chorar entre 6 e 17 vezes ao ano, as mulheres choram de 30 a 64 vezes no mesmo período. Além disso, cada episódio de choro feminino dura mais tempo que o masculino: uma média de 6 minutos, contra 4 minutos

Cocnluintes de Ciências Sociais 2009.2

Os concluintes 2009.2 do curso de Ciências Sociais, generosamente, incluíram-me dentre os professores homenageados. Os demais colegas distinguidos foram Alex Galeno, Alípio Filho, Edmundo Marcelo, Gabriel Vitullo, Irene Alves e Maria Lúcia Bastos. Vitullo, além disso, foi o paraninfo da turma. Infelizmente, por problemas familiares de última hora, não tive como comparecer à solenidade de formatura. Peço desculpas publicamente aos alunos e ao Paraninfo, o colega Gabriel. Sucesso para todos!

sexta-feira, 19 de março de 2010

Lula em Israel II

O saldo foi positivo, apesar de algumas derrapadas. Como diria aquele grande pensador brasileiro: "faz parte!". Veja o porquê na análise sempre arguta do jornalista Alon Feuerwerker.

No frigir dos ovos
Alon Feuerwerker


Lula fez o que os antecessores não tinham feito: uma visita oficial ao país nascido do movimento sionista. Viajou para lá, discursou no Parlamento — onde foi aplaudido — e homenageou as vítimas do Holocausto

Qual é o saldo da visita de Luiz Inácio Lula da Silva ao Oriente Médio? O presidente vinha de derrota em Honduras e estava enredado numa situação inexplicável ao tratar os direitos humanos em Cuba. Mas desta vez Lula conseguiu colher o principal objetivo político: um alvará informal de interlocutor com o Irã e de jogador global na pendência entre Israel e os palestinos. Na política, como no futebol, é sempre um jogo depois do outro.

Houve ainda avanços comerciais, que também são políticos. Os gestos na diplomacia têm importância, mas o lugar principal é dos fatos. Israel ser um bom aliado dos Estados Unidos faz o PT e a esquerda torcerem o nariz ao sionismo como movimento de emancipação nacional. É portanto digno de registro que as relações entre Israel e o Mercosul tenham se consolidado exatamente sob a batuta de Lula.

Serve de contrapeso à absorção da Venezuela no bloco, dirá o cético. Infelizmente, ainda não se descobriu — de um lado e de outro — como fazer omelete sem tirar os ovos da casca.

Mais um fato: Lula foi o primeiro presidente brasileiro a colocar os pés em Israel. Houve agora ali alguma turbulência e cotoveladas, quando ele recusou homenagear o fundador do moderno nacionalismo judaico, Theodor Herzl, enquanto aceitava reverenciar Yasser Arafat.

Que importância tem isso? Pouca. A História doravante vai registrar que Lula foi o primeiro presidente do Brasil a visitar oficialmente o país nascido do movimento sionista. Viajou para lá, discursou no Knesset (Parlamento) — onde foi aplaudido — e homenageou as vítimas do Holocausto.

O movimento de Lula no tabuleiro levantino só poderá ser avaliado após os resultados. É acaciano? Talvez. Se as potências não precisarem chegar à guerra para bloquear a emergência de um Irã nuclear, Lula vai estar nos livros de História como visionário, enquanto os críticos dele precisarão espremer-se nos rodapés desse episódio. Caso contrário, nosso presidente ficará nos anais como derrotado, um Neville Chamberlain de segunda linha.

A não ser que, repetindo Getúlio Vargas na Segunda Guerra Mundial, dê um jeito de estar do lado vencedor, qualquer que seja, na hora “h”.

Subestimar Lula tem-se revelado esporte de alto risco. Melhor então acompanhar o desenvolvimento da trama. E não se apressar nos palpites.

Além da assimetria no tratamento aos ícones nacionais, outro detalhe polêmico da visita foi o conteúdo da fala presidencial. Lula deu opinião sobre tudo, desde o muro que separa Israel da Cisjordânia até a luta interna dos palestinos, passando pela questão nuclear. Palpitou inclusive sobre as relações entre Israel e os Estados Unidos.

Não deixa de ser comportamento curioso à luz da “estrita observância do princípio da não ingerência”, que justifica, por exemplo, o silêncio e o imobilismo sepulcrais das nossas autoridades diante das violações de direitos humanos cometidas por governos amigos. Mas aí deve estar valendo o critério “anti-imperialista”. Deu sorte de entrar na categoria? Então meta ficha, que nem Lula nem nossa chancelaria vão dizer nada.

Ainda sobre discursos, o Itamaraty parece considerar positivo um eventual estremecimento dos Estados Unidos com Israel. Também aqui as coisas precisariam ser olhadas com cuidado e noção de timing. Líder de um governo fortemente nacionalista, Benjamin Netanyahu vem nas semanas recentes abrindo involuntariamente espaço para Barack Obama aparecer aos olhos do mundo árabe como alguém que “enfrenta Israel”.

No frigir dos ovos, americanos e israelenses são e serão aliados estratégicos. E os últimos desencontros engordam a conta de Obama com um capital político indispensável para impor a “pax americana” na região. Impor inclusive ao Irã. E talvez com a ajuda do Brasil.


Coluna (Nas entrelinhas) publicada nesta sexta (19) no Correio Braziliense.

A cidade, o local e o global.

No vídeo abaixo, produzido pelo Centro de Cultura Contemporânea de Barcelona, um bom ponto de apoio para a discussão sobre o lugar do local no mundo globalizado. O que é mesmo o local?

quinta-feira, 18 de março de 2010

Alan Daniel e o crescimento de Dilma

Alan Daniel Freire é professor de Departamento de Políticas Públicas da UFRN. É um estudioso da política nacional, tendo produzido uma tese de doutoramento, defendida no prestigiado IUPERJ, a respeito da dinâmica parlamentar brasileira. É um analista criterioso e frio, distante das paixões partidárias que pululam por aí.

Pois bem, meses atrás, em uma conversa de corredor, ele desfiou, pacientemente, as razões pelas quais a então recém lançada candidatura da ministra Dilma Roussef seria vitoriosa. A tese central do Alan é que faltava (e, pelo visto, ainda falta) um discurso para a oposição. E Dilma teria um discurso pronto: o da continuidade. Como o Governo Lula, aos olhos da grande maioria da população, está dando certo, a tendência, argumentava ele, seria a de que uma candidatura que representasse a continuidade ter tudo para deslanchar. E, arrematava, o PT criou uma máquina e redes sociais de capilaridade que o tornam uma força política positivamente superior do ponto de vista eleitoral.

A publicação da mais recente pesquisa IBOPE/CNI vai confirmando o prognóstico eleitoral do Professor Alan.

Vantagem de Serra cai de 11 para 5 pontos
Vantagem de Serra sobre Dilma cai para 5 pontos, indica CNI/Ibope
Autor(es): Daniel Bramatti
O Estado de S. Paulo - 18/03/2010

Sucessão.

Levantamento mostra tendência de crescimento da ministra da Casa Civil,que passou de 25% para 30% das intenções de voto em um mês; 53% dos entrevistados disseram querer votar em candidato apoiado pelopresidente Luiz Inácio Lula da Silva

A vantagem do tucano José Serra sobre a petista Dilma Rousseff na corrida presidencial caiu para cinco pontos porcentuais, segundo a última pesquisa CNI/Ibope. Em fevereiro, de acordo com o mesmo instituto, a distância entre os dois era de 11 pontos.
Serra teve 35% das preferências no levantamento divulgado ontem, feito a pedido da Confederação Nacional da Indústria. Em fevereiro, em pesquisa encomendada pela Associação Comercial de São Paulo, ele aparecia com36%.
Dilma, por sua vez, cresceu cinco pontos e atingiu pela primeira vez a marca dos 30% de preferências, em um cenário que inclui ainda Ciro Gomes (11%) e Marina Silva (6%).
Um dado inédito do levantamento mede o potencial de transferência de votos do presidente:53% dos eleitores querem eleger um candidato apoiado por Luiz Inácio Lula da Silva, e 10% pretendem optar por um nome da oposição. Outros33% afirmam que não levarão em conta a posição do presidente.
A desinformação é o que explica o descompasso entre o potencial eleitorado lulista e o desempenho de Dilma. Nada menos que 42% dos entrevistados ignoram o fato de que a ministra é a candidata de Lula.
Segundo Márcia Cavallari, diretora executiva do Ibope, esse nível de desconhecimento não é anormal a mais de seis meses das eleições. "Hoje,só quem busca informações sabe algo sobre as eleições. Quando começar o horário eleitoral gratuito, as informações chegarão a todos de forma homogênea." Ela afirma que o apoio de Lula tende a impulsionar a ministra, mas ressalva que, no decorrer da campanha, Serra também tendea se beneficiar por ganhar mais exposição.
O potencial de crescimento da ministra da Casa Civil se revela, por exemplo, no Nordeste, onde 69% do eleitorado se declara inclinado a votar em um governista, mas pouco mais da metade da população sabe quem é a escolhida pelo presidente.
Cruzamentos. O Ibope mostra que Serra deve às mulheres sua posição de liderança. No eleitorado feminino, o governador de São Paulo tem 12 pontos de vantagem sobre Dilma (37% a25%). Entre os homens, Dilma tem 36%, e o adversário, 34%.
Em um mês, as intenções de voto na petista subiram em três das regiões pesquisadas. No Sul, ela passou de 19% para 34% e ficou em situação dee mpate técnico com Serra (36%). No Nordeste, onde lidera por 14 pontos,a petista subiu de 33% para 39%.
Na região Sudeste, a mais populosa do País, é Serra quem está na frente (40% a 25%). NoNorte/Centro-Oeste, o tucano saiu de uma situação de empate técnico para uma vantagem de 15 pontos (41% a 26%).
Na divisão da população pelo grau de instrução, o governador paulista tem a maior vantagem entre os eleitores que estudaram até o ensino médio (37% a30%). Na segmentação por faixa de renda, Dilma lidera entre os que têm renda mensal de até um salário mínimo (32% a 28%).
No cenário sem o nome de Ciro Gomes, Serra aparece com 38%, Dilma, com 33%, e Marina, com 8%.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Incivilidade cotidiana

Transcrevo abaixo crônica de Marcos Rolim. Vale a pena conferir!

CARRINHOS E TRENZINHOS
Marcos Rolim
Jornalista
marcos@rolim.com.br


Quem vai ao supermercado se depara com alguns fenômenos interessantes. As crianças, por exemplo, ficam fascinadas no “super”. Não se poderia esperar algo diferente, claro.

Milhares de produtos coloridos nas prateleiras, ao alcance da mão, guloseimas, brinquedos, mobilizam as atenções infantis. Supermercados não são, exatamente, parques de diversão, mas para uma criança deve ser algo parecido. Outro dia, acompanhei uma cena constrangedora de um pai ameaçando seu filho pequeno, porque o menino “não parava”. As ameaças foram muitas: “Vou te bater” rosnava o sujeito em alto e bom som. Olhei para a criança e vi o rosto se crispar de medo, a aflição borbulhando em lágrimas e o sujeito gritando: “Se chorar, apanha”. A vontade que tive foi a de dizer alguma coisa, fazer algo. Miseravelmente não consegui. Fiquei paralisado pelo espanto e, possivelmente, pelo medo de dizer algo e “montar um barraco”. Saí do mercado carregando a culpa de ter faltado com aquilo que me parece uma obrigação moral: intervir sempre, para defender crianças vítimas da estupidez. Relatar minha falha neste caso é uma forma de diminuí-la, porque imagino que, talvez, pais que agem desta forma e que me lêem possam repensar as práticas de punição física e de humilhação e terror sobre seus filhos. Talvez.

Mas, como disse, há muitas condutas interessantes no “super”. Uma das mais significativas, me parece, é o costume de deixar os carrinhos de compra nos boxes do estacionamento. Muitas vezes, depois de rodar procurando uma vaga para estacionar, encontramos um espaço e... lá está um carrinho deixado pelo cliente no meio do box. Então descemos do veículo, e o afastamos para conseguir estacionar.

Gostaria de conhecer o perfil desta turma que deixa o carrinho no box, sem ter qualquer preocupação com os outros clientes que precisam estacionar. Aposto que são críticos radicais da política brasileira, que sustentam que pagam impostos em demasia e que acham que movimento social é o mesmo que “bagunça”.

Por falar em compromisso com os outros, acabo de ler a nota da Rosane Oliveira sobre o pagamento aos magistrados de uma diferença “salarial” a título de isonomia com os congressistas que recebem auxílio-moradia. A diferença será paga a todos os juízes, ativos e inativos, retroativamente ao período de setembro de 94 a fevereiro de 98. Tamanho do trenzinho da alegria: 300 milhões de reais. Alguns magistrados receberão importâncias em torno de 200 mil reais. Com o devido respeito que o Poder Judiciário merece, é preciso que alguém por lá tenha uma “crise de lucidez” e diga, simplesmente: não.

Mas pode ser que, ao fim e ao cabo, tudo se acerte e que os valores sejam pagos mesmo. Tudo “dentro da lei”, como sempre. E que ninguém se importe. Talvez os carrinhos de supermercado sejam um sinal, não sei.

terça-feira, 16 de março de 2010

O sexo do homem estressado

Quando sob forte estresse, os homens gostam mais de sexo. Não, não, a proposição não é minha, mas, sim, o resultado de um estudo realizado por pesquisadores de uma universidade alemã. Confira na matéria abaixo, publicada na edição do dia 11 de março no jornal argentino CLARIN.

Cuando los hombres se estresan, se sienten atraídos por más tipos de mujeres


Cuando los hombres se estresan, se sienten atraídos por más tipos de mujeres
16:26Lo dice un estudio realizado en una Universidad alemana. Asegura que los varones amplían sus gustos sexuales cuando están bajo presión. Otra investigación dice que al envejecer ellos se mantienen más activos en la intimidad.
Bajo presión, los hombres tiran todo por la ventana y dan rienda suelta a sus gustos sexuales. Al menos, así lo asegura un estudio realizado por una Universidad alemana que sostiene que cuando los varones se estresan se sienten atraídos por más y variadas mujeres.
El estudio sobre psicología de la atracción sexual fue publicado en Proceedings of the Royal Society B y publicado por el diario The Guardian. Señala que habitualmente, las personas se sienten atraídas por parejas con rasgos faciales similares a los suyos, pero que –tras una breve experiencia estresante- las preferencias de los hombres cambian para incluir una variedad más amplia de las mujeres.

Johanna Lass-Hennemann, que dirigió el estudio en la Universidad de Trier en Alemania, dijo que los resultados de la investigación sugieren que los animales pierden sus preferencias de apareamiento normal cuando están bajo estrés. "Los hombres tienen una tendencia a acercarse a compañeras diferentes y a calificarlas como más agradables cuando están estresados", subrayó. "[Pero] no estamos seguros de cómo esto puede reflejarse en las decisiones de reproducción reales".

Los hombres no estresados que participaron en el estudio dijeron que las mujeres muy diferentes a ellos eran en promedio un 14 por ciento menos atractivas en comparación con las mujeres que tenían rasgos similares a los suyos. Pero "el" dato es que el grupo de hombres estresados dijo que las mujeres con facciones diferentes eran un 9 por ciento más atractivas.

Los científicos creen sentirse atraído por una pareja de apariencia similar puede estar vinculada a nuestra tendencia a tener más confianza en una cara familiar, un factor que es importante para las relaciones a largo plazo. Pero en situaciones de estrés, esa necesidad parece desvanecerse.

Lass-Hennemann especula que el estrés aumenta la tendencia de los hombres a mantener relaciones con más mujeres genéticamente distintas, debido al beneficio que significaría que los hijos nacidos de esa relación puedan estar mejor preparados para hacer frente a un ambiente estresante.

"Creemos que los ambientes de estrés crónico aumentan la exogamia, ya que la endogamia puede dar lugar a crías que no son genéticamente diversas para hacer frente a las diferentes circunstancias de riesgo que un ambiente estresante impone", explicó.

En el estudio participaron 50 estudiantes heterosexuales que fueron divididos en dos grupos. A los del primero se les pidió que metieran un brazo en un balde de agua helada durante tres minutos antes de comenzar la prueba. Y los del segundo se les pidió lo mismo pero con agua a temperatura corporal.

Los latidos del corazón y los niveles de cortisol, la hormona que se libera bajo presión, indicaron que los hombres en el primer grupo estaban significativamente más estresados antes de la prueba que los otros participantes.

En la prueba en sí, a los hombres se les mostró una serie de imágenes en una computadora. Algunas eran de objetos del hogar y otras, de mujeres desnudas. Algunos de los rostros de las mujeres fueron alterados digitalmente para parecerse al voluntario u otro de los participantes.

A lo largo de la prueba, los científicos provocaron ruidos ocasionales para asustar a los hombres, mantenerlos estresados y registrar sus reacciones. Investigaciones anteriores sugieren que la gente se sobresalta menos cuando están frente a algo que encuentran atractivo. A los hombres también se les pidió que dijeran cuán atractivas y excitantes eran las imágenes

Mientras que los hombres "relajados" reaccionaron como se esperaba y dijeron sentirse atraídos por mujeres que se parecían a ellos, los varones estresados describieron como más atractivas a las mujeres de facciones más diferentes.

Lass-Hennemann aseguró que es muy poco probable que el estrés circunstancial cambie los gustos de alguien a la hora de elegir pareja, pero que es muy posible que el estrés a largo plazo modifique las preferencias de los hombres hacia las mujeres.

El otro estudio


Un trabajo publicado por el British Medical Journal asegura además que a medida que pasa el tiempo, los hombres se mantienen más activos en la intimidad que ellas.

La mayor diferencia entre géneros se encuentra en la franja de entre 75 y 85 años, donde casi 4 de cada diez hombres eran sexualmente activos, frente a menos de dos mujeres por cada diez de ellas (el 17 por ciento).

La esperanza de vida sexualmente activa para los hombres es sólo 10 años menor que el tiempo de vida que se espera de ellos, mientras que en las mujeres ese período termina 20 años antes de su muerte, según científicos de la Universidad de Chicago.

"El interés por el sexo, la participación e incluso la calidad de la actividad sexual registraron índices más altos en los hombres que en las mujeres, y esa diferencia aumentó con la edad", dijo Stacy Tessler Lindau, profesora de obstetricia y ginecología y la directora de la investigación.


Para su trabajo, los investigadores tomaron como referencia una encuesta realizada en 1996 a 3.000 hombres y mujeres con edades comprendidas entre los 25 y 74 años y otra en 2006 con el mismo número de hombres y mujeres de entre 57 y 85 años.

A fotografia de Kurt Markus

Kurt Markus nasceu em Roundup, Montana, EUA, em 1947. Boa parte de seu trabalho fotográfico explora os resquícios da cultura cowboy e o nu. Confira abaixo algumas de suas fotos.





Lula em Israel

Transcrevo abaixo coluna do Alon Feuerwerker sobre derrapadas na curva de Lula em sua visita a Israel.

Lula e o protocolo (16/03)
Alon Feuerwerker

Há algum ruído porque Luiz Inácio Lula da Silva recusou ir ao túmulo de Theodor Herzl para colocar uma coroa de flores, no sesquicentenário (150 anos) do nascimento do jornalista austríaco. Herzl foi fundador do movimento sionista, que defende o direito de os judeus construírem um Estado na Palestina. Ou seja, Lula aceita Israel como um fato da política, mas não enxerga vantagem em associar a imagem dele —na esfera doutrinária— à legitimidade de os judeus terem seu país na região.

É direito do presidente só ir aonde quiser. Ainda mais se o evento era extra-agenda. Mesmo que um brasileiro, Osvaldo Aranha, tenha presidido a Assembleia Geral da ONU quando, em 1947, o organismo decidiu dividir a Palestina entre um país árabe e um judeu. Foi naquela época uma vitória do sionismo, uma conquista derivada também do apoio dado pelos nacionalistas judeus aos Aliados na Segunda Guerra Mundial. Enquanto o nacionalismo árabe ali emergente se associava ao nazifascismo.

Lula e o governo dele não são exatamente fãs desse tipo de solenidade.

Em novembro de 2008 o presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, visitou o monumento dos combatentes brasileiros mortos na Segunda Guerra, no Aterro do Flamengo, no Rio. Depositou ali a merecida coroa de flores em homenagem aos pracinhas. Nenhuma autoridade civil brasileira compareceu. Nem do governo federal, nem do estadual.

Conforme os registros da época, o motivo alegado pelo Itamaraty foi protocolar, pois ministros não podem se reunir com um chefe de Estado estrangeiro antes que ele se encontre com o mandatário brasileiro. E por que não mudaram a agenda, para nossas autoridades poderem participar da cerimônia? E se ministros não podem, por que generais podem?

O Brasil foi representado pelo então comandante do CML (Comando Militar do Leste), general Luiz Cesário da Silveira Filho, por outros militares da ativa e por ex-combatentes da Força Expedicionária Brasileira (FEB). Tivemos 2 mil mortos no conflito. Os soviéticos tiveram 20 milhões. Era, portanto, um baita gesto do presidente russo em direção a nós, brasileiros. Coisa de quem tem a dimensão de si próprio, sabe de onde veio e para onde vai.

Maio está chegando. O 65º aniversário da vitória aliada em 1945 vai passar, como de hábito. Será comemorado em muitos países vencedores da guerra, mas aqui tem tudo para ficar quase em branco, novamente. Quase? As Forças Armadas cultivam sozinhas a memória da participação brasileira naquele episódio decisivo para a humanidade.

Relevante em Lula não é chamar a si a prerrogativa de reverenciar —ou não— emblemas nacionais das nações visitadas. Isso é do jogo. O detalhe mais agudo é outro: o pouco cuidado em relação aos símbolos nacionais brasileiros. Talvez estejamos diante de um nacionalismo de tipo inteiramente novo, mais datado, com Lula acumulando todos os papéis, desde o Descobrimento.

São conhecidas as dificuldades da esquerda para entender a Independência, a Abolição, a República, a Revolução de 1930, e mesmo a participação brasileira no conflito de 1939-45. Foram todos episódios da nossa construção, mas na historiografia oficial há certa tendência de empurrar muitos deles à categoria das "manipulações da classe dominante", ao arquivo dos "exemplos de transições por cima". Sai a História, entram os clichês vulgares.

Os processos de emancipação nacional são bonitos nos (maus) livros ou nas falsificações intelectuais e acadêmicas. Na vida real implicam dor, perda, sofrimento, crueldade e tragédia. A vitória de uns sempre representa a derrota de outros. Não tem sido diferente em Israel e na Palestina. Mesmo assim, os países democráticos cultivam a memória dentro de certos limites de fidedignidade, ainda quando tendem a deformar os fatos por conveniência política.

Lula deixar de ir ao túmulo de Herzl é pouco relevante. É apenas uma posição político-ideológica, como qualquer outra. As relações entre nós e eles, especialmente no terreno comercial, vão bem e continuarão assim. Grave é inexistir no Brasil um túmulo importante para os mandatários estrangeiros fazerem visitas protocolares, para colocarem coroas de flores em homenagem aos nossos heróis. E quando, com muito esforço e persistência, finalmente acham um e vão lá colocar, fazem isso sozinhos. Por razões protocolares.

Sabe como é, né? Nós brasileiros somos especialistas em seguir os protocolos. É uma conhecida obsessão nacional.

Coluna (Nas entrelinhas) publicada nesta terça (16) no Correio Braziliense.

O goleiro que morreu duas vezes...

"Certamente, a criatura mais injustiçada na história do futebol brasileiro. Era um goleiro magistral. Fazia milagres, desviando de mão trocada bolas envenenadas. O gol de Gighia, na final da Copa de 50, caiu-lhe como uma maldição. E quanto mais vejo o lance, mais o absolvo. Aquele jogo o Brasil perdeu na véspera."
Armando Nogueira.




Em um espaço de tempo tão curto quanto um segundo, nada é mais como era antes. Tua vida foi radicalmente definida. E o tempo não volta atrás. Você se questiona mil vezes porque não seguiu em frente ao invés de dobrar a esquina...

Estou pensando em Barbosa, um dos maiores goleiros de nosso futebol, que foi injustamente lembrado por gol um sofrido. Tá, tá certo, não foi um gol qualquer. O Brasil perdeu a copa. Mas o futebol de Barbosa não se resumiu ao gol perdido. Como a sua vida não se resume ao evento sucedido quando você dobrou a esquina...

A história de Barbosa me toca profundamente...

Não é que um jornal argentino, o CLARIN, fez uma homenagem ao nosso injustiçado Barbosa! Confira abaixo o belo texto de Waldemar Iglesias.


El arquero que murió dos veces
Waldemar Iglesias - wiglesias@clarin.com

Moacir Barbosa fue el arquero en la tristeza más grande de la historia del fútbol brasileño: el Maracanazo. Pasó ese día de superhéroe a villano perpetuo. A su entierro, hace diez años, no fue casi nadie.

Fue un segundo que le partió la vida en dos. Voló, como en tantas otras ocasiones similares: elástico, seguro, convencido. El remate de Alcides Ghiggia traía la pelota que lo debía consagrar para siempre como lo que era: un arquerazo. Pero esta vez, la decisiva, la más importante, la del destino, Moacir Barbosa Nascimento no llegó. En ese instante que todavía parece durar, aquel 16 de julio de 1950, el Maracaná era un monstruo de más de 200.000 cabezas, un hervidero de gente sólo preparada para la felicidad. Pero Uruguay, el ocasional invitado al festejo de Brasil, terminó siendo el dueño de la alegría propia y del silencio ajeno.

Se vivió como una tragedia deportiva en Brasil y luego se le puso nombre en el mundo: Maracanazo. También se eligió un responsable desde entonces y para siempre: Barbosa. "Llegué a tocarla y creí que la había desviado al tiro de esquina, pero escuché el silencio del estadio y me tuve que armar de valor para mirar hacia atrás. Cuando me di cuenta de que la pelota estaba dentro del arco, un frío paralizante recorrió todo mi cuerpo y sentí de inmediato la mirada de todo el estadio sobre mí", contó entre sollozos el arquero, ya con la certeza de que Brasil se había quedado a la sombra del capítulo más épico del fútbol mundial. Las consecuencias las retrató también el escritor uruguayo Eduardo Galeano: "Los moribundos demoraron su muerte y los bebés apresuraron su nacimiento. Río de Janeiro, 16 de julio de 1950, estadio de Maracaná: la noche anterior, nadie podía dormir; y la mañana siguiente, nadie quería despertar".

Obdulio Varela, partícipe imprescindible y símbolo de la hazaña de La Celeste, peón de albañil, laburante del fútbol y militante de los rezagados, abrazó a los vencidos y bebió la derrota junto a ellos por los mostradores de Río de Janeiro. Palabras más, palabras menos, contó más tarde sobre el gol de Ghiggia: "La culpa no fue de Barbosa. A esa pelota la hizo entrar el destino". Que el Negro Jefe lo eximiera no le alcanzó tampoco a Barbosa.

Hasta ese momento, Barbosa se había ganado un pedazo de la historia. Nacido en Campinas, San Pablo, en marzo de 1921, empezó a jugar al fútbol en Almirante Tamandaré, un modesto club de su ciudad. Lo ponían de wing para aprovechar su velocidad. Al arco llegó mucho por casualidad y un poco por pereza: no le gustaba correr demasiado durante los partidos. Para comer, lavaba vidrios; también atajaba para sus empleadores en el Laboratorio Paulista de Biología, a modo de changa. El siguiente paso fue decisivo: le ofrecieron jugar para Ypiranga, un equipo pequeño de la Liga de San Pablo de entonces.


Sorprendía por su destreza. Y por eso lo contrató Vasco da Gama: se mudó a Río de Janeiro y pronto se hizo crack. Fueron los mejores años del club carioca: con su emblemático equipo conocido como El Expreso de la Victoria (Expresso da Vitória, en portugués) ganó cinco Estaduales en ocho años (entre 1945 y 1952) y el Campeonato Sudamericano de Campeones de 1948 (una suerte de antecedente de la Copa Libertadores). Luego Barbosa jugó también en Bonsucceso, Santa Cruz y Campo Grande.

Su llegada al seleccionado verdeamarelo fue un paso natural e inevitable. Un año antes del Maracanazo, había ganado la Copa América. Pero el día de la maldición llegó y transformó un paraíso en infierno. Lo contó el periodista Ariel Scher, en su espacio De Rastrón: "Barbosa, que merecía los derechos de un individuo corriente, se volvió esclavo de esa circunstancia durante el medio siglo completo que transcurrió desde el instante en el que aquella pelota tocó la red hasta la hora en la que él respiró el último de sus aires. Se lo señalaron en las veredas modestas de Río de Janeiro en las que parecía haberse quedado sin sitio, en los ómnibus en los que viajaba con las miradas de los otros astillándole la piel y en las tribunas desagradecidas que antes le habían aplaudido hasta los tiros que tapaba con las uñas".

Fue declarado culpable sin razón y sin juicio. Y condenado a cadena perpetua por todas las tristezas que el gol de Ghiggia había generado. Con él fueron injustos y hasta miserables. En 1993, en plena disputa de las Eliminatorias para el Mundial de los Estados Unidos, Barbosa quiso pasar por la concentración brasileña a saludar a los futbolistas. Fue hasta la puerta. No lo dejaron entrar. "Que no pase y que no vuelva", fue la orden de las autoridades. Ya entonces, Barbosa vivía de prestado en la casa de una cuñada y se alimentaba gracias a una jubilación de hambre. Lo dijo y lo escribió el periodista Armando Nogueira: "Fue la persona más maltratada de la historia del fútbol brasileño. Era un arquero magistral. Hacía milagros, desviando con mano cambiada pelotas envenenadas. El gol de Ghiggia que significó el 2-1 final para Uruguay en la final de la Copa de 1950, le cayó como una maldición. Cuanto más pasa el tiempo, más lo absuelvo. Aquel partido Brasil lo perdió en la víspera".


En una noche de viernes de abril de hace 10 años, murió Barbosa. Solo, olvidado, despreciado. En Praia Grande, donde entonces vivía y donde lo enterraron luego, no había más de cincuenta personas para despedirlo. Lo evocó un viejo rival, Idario Peinado, estrella del Corinthians en los años 50. Y sobre su ataúd habitaba una bandera del Club Atlético Ypiranga, que entonces ya no jugaba más al fútbol profesional. No había dirigentes, ni famosos, ni autoridades nacionales. Barbosa era un olvido. Lo retrató el escritor mexicano Juan Villoro, autor de Dios es Redondo: "El primer arquero negro de la historia de la selección brasileña murió pobre, humillado y condenado. La prensa casi no registró su muerte. Barbosa no se habría sorprendido. La segunda muerte de Barbosa será la definitiva".

segunda-feira, 15 de março de 2010

Música para quem ainda está no trabalho...

Como contratar docentes para nossas universidades?

O corporativismo grassa nos concursos para professores das Universidades Federais. Na esteira do REUNI, as vagas aumentaram. E, podemos dizer, nunca na história deste país se contratou tanto docente par ao ensino superior. Mas de que forma? Esses concursos são sustentáveis? Que projeto de Universidade subjaz às contratações? Já tratei aqui dessas questões.

Agora, veja só!, esta é um questão que incomoda também alhures. Eis que, no EL PAÍS, colho uma entrevista na qual o Reitor da Universidade Complutense aborda esta e outras questões. Confira aqui.

Cotas, Erick Pereira e a política deste blog

Este é um espaço aberto. Escrevo o que penso. Sempre. E pago os custos resultantes dessa postura. Não gosto do maneirismo dos que escrevem de olho nas repercussões em termos de ampliação de suas relações. Gosto de estar de bem comigo mesmo. E fazer este blog tem sido uma coisa muito boa. Por outro lado, como não tenho pretensões grandiosas em relação à academia, não estou nem aí para os que dizem que escrever diariamente em blog "pega mal", pois, mostraria que você não está focado em sua carreira acadêmica. E dai?

Escrevi o intróito acima pelo fato de que postagens que aqui faço, de quando em vez, incomodam alguns, ferem outros... Paciência! Quem se dispõe a atuar no espaço público - e um blog é um pouco isso, não? - não deve se pautar pela busca de unanimidade. E os elogios, sabemos bem, afagam o ego, mas, quase sempre, obscurecem o entendimento...

No caso do debate sobre as cotas para negros nas universidades, as postagens tiveram reações muito interessantes. E o debate continua. Inclusive, um debate sobre a forma do debate. Isso é muito bom! Agradeço aos contendores pelo fato de que, ao discutirem postando aqui, reconhecem este como um espaço plural de discussões.

Uma outra postagem, relativa a um artigo de autoria do advogado Erick Pereira (tá na lista aí do lado), recebeu um comentário no qual o missivista anônimo aponta supostas, digamos, atitudes negativas do causídico. Não sou advogado de Erick Pereira. Não pretendo e nem tenho as credenciais necessárias para sê-lo. Conheço-o como personalidade pública. Pelo que sei, é um dos melhores advogados de Natal. Mas não tratei disso. Fiquei tocado com o seu artigo no NOVO JORNAL. Ali, naquele texto, ele expressou toda a indignação que sentimos os que assistimos impotentes à guerra civil que grassa na periferia da Grande Natal. Um guerra, como outras que se desenrolam no "andar de baixo", com mortes físicas e sociais, vítimas ocultas e muita dor. Mas uma guerra que só chega aos andares sociais posteriores como ecos distantes de um confronto entre "traficantes"... Por isso elogiei o artigo escrito e a postura do advogado. Só isso.

Por fim, uma explicação. Aqui, tudo pode. Desde que não se coloquem nos comentários agressões pessoais, todos os posicionamentos são sempre recebidos de "portas abertas".

sábado, 13 de março de 2010

O empobrecimento da política nacional

A notícia abaixo, divulgada na Folha de São Paulo, deixa-nos desanimados. José Eduardo Cardozo era um dos melhores parlamentares que a Câmara dos Deputados teve nos últimos anos. O seu abandono da atividade parlamentar não é um bom presságio...

Cardozo decide que não vai mais ser deputado
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O deputado federal José Eduardo Cardozo (PT-SP) anunciou sua decisão de não tentar se reeleger na próxima eleição em carta encaminhada à direção do PT e a militantes.
Ele permanece secretário-geral do partido e se compromete a participar da campanha da ministra Dilma Rousseff.
No documento, Cardozo afirma que já cogitava não participar de uma nova disputa se não houvesse "uma radical reforma do sistema político brasileiro".
"Fazia isso, no curso de uma campanha, por já não me sentir confortável em disputas onde os recursos financeiros cada vez mais decidem o sucesso de uma campanha, onde apoios eleitorais não são obtidos pelo convencimento político de ideias, pelo programa ou pela própria atuação do candidato proporcional, mas quase sempre pelo quanto de "estrutura" financeira ele pode distribuir", afirmou ele na carta.
Cardozo reclama ainda da "generalização" e da "banalização da ideia de que todo político é desonesto". "Não há nada pior para alguém que vive com dignidade no mundo da política, do que, diante de uma acusação qualquer, ver que a sua palavra ou a ausência de provas incriminadoras, não afaste nunca a "certeza" da sua "culpa'", disse.
Por meio de sua assessoria, Cardozo disse achar "interessante" assumir um cargo no Executivo caso seja convidado.
Desde o início de 2008 o deputado ocupa o posto de secretário-geral do Diretório Nacional do PT. É professor de direito administrativo e está em seu segundo mandato na Câmara.

Erick Pereira e a banalização do mal

Não conheço Erick Pereira pessoalmente. Como é uma pessoa pública, advogado de sucesso, de alguma forma todos nós o “conhecemos”. Seu rosto e seu nome não são estranhos para os que acompanhamos a vida política e social do Rio Grande do Norte. Hoje, ao ler o NOVO JORNAL, deparei-me com um artigo de sua autoria que me fez conhecer um outro lado da figura pública: sua sensibilidade para com a dor e o sofrimento dos anônimos. No seu texto, encontrei um libelo contra a banalização do mal que toma conta da classe média e da elite natalenses. Comentando o fato escabroso do assassinato de Francisca Lúcia (a esposa de um traficante acusado de matar um policial militar) logo após a mesma ter saído de uma delegacia de polícia, Erick Pereira aborda a indiferença e o cinismo de parte das “pessoas de bem” da capital potiguar diante dos dramas relacionados às mortes da “guerra do tráfico” na Zona Norte de Natal. Para estes, nada mais “normal” do que a esposa de um traficante assassino, saindo de uma delegacia de polícia, ser assassinada à luz do dia em plena via pública.

Lembrei-me de Hannah Arendt. Especialmente de certo ensaio majestoso sobre o julgamento do nazista Eichmann. A banalização do mal, no caso presente, traduz-se não apenas na indiferença em relação ao sofrimento alheio, mas na justificação cínica da eliminação dos “envolvidos com o crime”.

Erick Pereira, com o artigo de hoje no NOVO JORNAL, falou por todos nós que estamos com o nó da indignação entalado na nossa garganta, impotentes diante da barbárie que avança por toda a periferia da Grande Natal. Por outro lado, pelo menos prá mim, ficou claro que ele não é um grande advogado por acaso. Tem algo na sua atuação que vem da alma... Ou, em termos mais sociológicos, algo que corresponde mesmo ao que Weber denominaria de “vocação”.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Para relembrar o Glauco




Aproximação, o novo filme de Amos Gitai

Acredito que você já deve ter assistido a algum dos filmes de Amos Gitai. Refiro-me ao O dia do perdão (Kippur) e Kedma. São dois bons filmes, pode acreditar e buscá-lo em locadoras. Aqui em Natal, consegui alugá-los na Yelllow.

Bueno, agora um novo filme do cineasta está sendo lançado no Brasil. Para atiçar a sua curiosidade, transcrevo abaixo matéria do Estadão. Mais abaixo, para aumentar a sua ansiadade, coloquei o trailer.


Em ‘Aproximação’, Amos Gitai traz drama pessoal e história
O ano é 2005, quando colonos judeus foram retirados à força da Faixa de Gaza por soldados israelenses

Reuters – O Estado SP

SÃO PAULO - Em “Aproximação”, drama que estreia em São Paulo e Rio de Janeiro, o diretor israelense Amos Gitai (”Kippur”, “Free Zone”) lida com a intersecção entre um momento histórico turbulento e a inquietação no plano intimista que abala os membros de uma família depois da morte do patriarca.

O momento histórico em que acontece o clímax é em 2005, quando colonos judeus foram retirados à força da Faixa de Gaza por soldados israelenses. Antes de chegar a esse ponto, Gitai, e sua roteirista habitual, Marie-Jose Sanselme (”Free Zone”, “Alila”), começam a história a partir de um personagem.

Um membro do Exército de Israel, Uli (Liron Levo, de “Munique”), vai para a França ao encontro de sua irmã adotiva, Anna (Juliette Binoche, de “Horas de Verão”), onde irão velar o corpo do pai.

A cena é acompanhada pela cantora lírica norte-americana Barbara Hendricks, que com seu canto cria um clima dúbio, colocando em dúvida se o que se vê é real ou é um delírio ou sonho de Ana. Mais tarde, o filme promove um encontro memorável do cinema contemporâneo. Juliette contracena brevemente – mas num momento-chave – com a veterana atriz Jeanne Moreau.

Ana é uma personagem estranha. Ela está alegre demais para um velório, parece se insinuar demais para o irmão adotivo. Aos poucos, ela passa por uma profunda transformação que irá questionar, acima de tudo, a sua identidade. Por questões familiares, ela acaba sendo obrigada a ir com o irmão para Israel.

Seus problemas começam logo na chegada ao país, onde ela tem dificuldades para entrar, é obrigada a separar-se do irmão e continuar a viagem sozinha. Seu maior desafio, no entanto, será enfrentar um passado que ela abandonou e encará-lo de frente. Essa foi uma das condições do testamento de seu pai.

Chegando à região do conflito entre colonos e soldados, Ana se depara com um realidade que não conhecia, que tanto a comove quanto a assusta. Um episódio do passado, que ela julgava esquecido, emerge com toda a força e ela é obrigada a lidar com isso. Nesse ponto, tal qual sua protagonista, “Aproximação” transforma-se visualmente.

Na primeira parte do filme, Gitai trabalha com planos longos, uma câmera que se move com elegância e certa lentidão. À medida que Ana se transforma, tomando contato com esse novo mundo, os planos tornam-se mais curtos, a câmera mais agitada, transmitindo a tensão do lugar e daquele momento. A fotografia é assinada pelo austríaco Christian Berger, o mesmo que neste ano foi indicado ao Oscar por “A Fita Branca”.

Sem nunca cair numa metáfora barata ou simbolismos ralos, Gitai traça um retrato multifacetado e profundo do Oriente Médio. Ana tem dificuldades de comunicação, pois não fala hebraico, e as poucas pessoas que entendem inglês mal conseguem se expressar. A tensão no ar faz parecer que algo vai se romper a qualquer momento.

Em alguns momentos, “Aproximação” pode lembrar “Free Zone”, no qual a personagem central, interpretada por Natalie Portman, sofria um choque cultural ao chegar a Israel. Ana passa por um momento parecido, mas o fato de ela ser mais madura do que a protagonista do outro filme, ressoa de outra forma.

Como é seu costume, o diretor faz um cinema político que encontra espaço para questões existenciais, ponderando não apenas sobre o papel do indivíduo na sociedade, como também a questão da identidade cultural e pessoal de cada um.

Gitai é um dos cineastas mais importantes em atividade atualmente. E “Aproximação” encaixa-se com clareza em sua obra.

A primeira cena do filme, um longo plano-sequência dentro de um trem, mostra Uli conhecendo e beijando uma palestina, interpretada por Hiam Abbass (”O Visitante”). Quando questionados por um oficial sobre a estranheza daquele envolvimento, o israelense diz que aquilo não é nada político. E ela completa: “Não é nada simbólico. Só estamos no mesmo trem.” Nesse momento, o diretor parece nos sorrir com a ironia bastante simbólica dessa constatação.

Durante a Mostra de Cinema de São Paulo de 2007, quando o filme foi apresentado com o título “A Retirada” (que tem mais a ver com o original do que este usado no lançamento comercial no Brasil), Gitai, que visitava a capital paulista, contou que esta história começou a ser escrita em São Paulo, quando sua roteirista, Marie-Jose, participava da Mostra como jurada, em 2005. (Por Alysson Oliveira, do Cineweb)


Lula no Haaretz

O Haaretz é, de longe, um dos melhores jornais que você pode ler na internet. Sempre que tenho um tempinho, procuro lê-lo. O jornal israelense e o espanho EL PAÍS são boas opções informativas. O inconveniente, para muitos, é de que ele publicado em inglês. Mas não desanime, faça um esforço e leia-o. Na sua edição de hoje, para desespero da Nova Direita brasileira (que ficou histérica com o fato), há uma grande matéria com o Presidente Lula. Transcrevo-a abaixo.


Brazil leader talks Mideast peace, how to be friends with both Israel and Iran
By Adar Primor
Tags: Israel news
In exclusive interview, Luiz Inacio Lula da Silva tells Haaretz it's time for more serious Israel-Palestinian talks.

SAO PAULO, Brazil - President Lula of Brazil, who in October will conclude his second term in office (and his last permitted by the state's constitution), is the most popular head of state in the country's history. His popularity rating stands at about 80 percent, and the universal consensus is that it's simply impossible not to like him. Even Brazilians who did not vote for him find him likable.

The reason becomes clear when Luiz Inacio Lula da Silva - his full name, which no one uses - enters the room. He smiles in all directions. In addition to the two Israeli journalists present, the third guest is a reporter for ANBA news agency, run by the Arab Brazilian Chamber of Commerce. Impartiality is the name of the game. Lula, as he is universally known, has to be loved by all. His visit to the Middle East next week will begin in Israel but will also take him to the Palestinian Authority and Jordan. And now he has a problem: Who will get to ask the first question? He decides to solve this by having us shoot for evens or odds. Amusing himself, he does this four times; only after the result is overwhelmingly clear does he declare the winner: Haaretz.

Lula was one of the first leaders to host President Mahmoud Ahmadinejad after Iran's blood-stained election of June 2009. Brazil was also one of only five countries to abstain from an International Atomic Energy Agency vote last November on a condemnation of Iran.
He is set to visit the Islamic Republic in May, where his hosts will repay him in kind for the red carpet he laid out for them in Brasilia last November. When asked how he'll be able to win over the Israelis, whose vantage point is related to the trauma of the Holocaust, Lula replies: "I spoke with the president of Iran and made it clear to him that he cannot go on saying that he wants Israel's liquidation, just as it is untenable for him to deny the Holocaust, which is a legacy of all humanity. I added that the fact that he has differences with Israel does not allow him to deny or ignore history."

In a way that will undoubtedly disturb those who will host him in Israel next week, Lula draws a direct association between the failure to advance Israeli-Palestinian peace and his planned visit to Tehran; between the need to ensure that Iran will not manufacture nuclear weapons and the need to resolve the Middle East conflict; and between the failed attempts at mediation led by international players, first and foremost the United States, and the need to bring in fresh new players - Brazilians, in all likelihood.

"I talked about Iran with many leaders, and particularly with those whose countries have a seat on the Security Council," he explains. "The Americans, the French, the British, the Russians and the Chinese all want to advance the Middle East peace process. But I also feel that the parties to the conflict and the people involved in the process have long since grown tired of it. So, the time has come to bring into the arena players who will be able to put forward new ideas. Those players must have access to all levels of the conflict: in Israel, in Palestine, in Iran, in Syria, in Jordan and in many other countries that are associated with this conflict. This is the only way we will be able to advance Israeli-Palestinian peace, and at the same time be able to say clearly to Iran that we are against the manufacture of nuclear weapons."

'People have to look at each other'

Lula does not overlook any of the elements in this comprehensive linkage when asked about the fact that Israeli patience regarding Iran seems to have worn thin. "The leaders I spoke to believe that we must act quickly, otherwise Israel will attack Iran. I do not want Israel to attack Iran, just as I do not want Iran to attack Israel. In an orderly world, people have to learn to talk to one another." Here he seems to be alluding critically to the "proximity talks" about to get underway between Israel and the Palestinian Authority.

"The appropriate partners from each country have to be found, and more serious talks conducted," he continues. "The importance of talks between third- and fourth-rank officials [does not hold] even 1 percent of the importance of tete-a-tete talks between leaders. Politics is mainly contact. People have to look at each other, sense each other. A leader has to look into the eyes of his interlocutor instead of communicating with him through lower-level individuals.

" The Brazilian president says he is disappointed that all that remains of the Oslo Accords is "Nobel Prizes and photographs of people hugging each other," as well as the fact that the Annapolis conference of November 2007, in which Brazil participated, did not have any follow-up. "This gives me serious doubts: Who really wants peace in the Middle East? Who has an interest in achieving a solution and who would like the conflict to continue? The impression is that someone is constantly working here as though he has hidden enemies, people who simply do not want an agreement to be reached."

Lula describes himself as a negotiator, not an ideologue, a person who manages to get along with both Hugo Chavez and George W. Bush, with Shimon Peres and Mahmoud Ahmadinejad. He says he has never read a book in his life, even though everyone admires his "supreme wisdom" and "creative mind." As a chairman of the workers union during the years of military rule in Brazil, he encountered and resolved many difficult conflicts.

"I was born into the politics of dialogue, I became president of this country through dialogue and I have conducted my entire presidency by means of dialogue. I believe that through dialogue we will succeed in solving all the conflicts which today appear to be unsolvable," he says.

He is well aware that he will be regarded as "naive" by his Israeli interlocutors. He is also familiar with the counter-rhetoric of Prime Minister Benjamin Netanyahu - who likens Ahmadinejad to Hitler, Iran to the Nazi regime and the world of 2010 to that of 1938. Lula's assertive response is likely to surprise even those familiar with his arguments: "Anyone who compares Ahmadinejad and modern-day Iran to Hitler and the Nazis is having the same kind of radicalism of which Iran is being accused. Anyone who takes that line is not contributing in the least to the peace process which we want to create for the sake of the future. You cannot do politics with hate and resentment. Anyone who wants to do politics with hate and resentment should get out of politics. Nobody can rule a country through the liver. You have to rule a country with your head and your heart. Other than that, it's best to stay somewhere else other than in politics."

Lula wears a blue suit with a Brazilian flag pinned to its lapel. After each question he takes out a small pair of glasses, places them on the edge of his nose and jots down a few points. He has a particularly husky bass voice; when he whispers, every syllable can still be heard in the big hall.

"My personal thesis is that we must not allow what happened in Iraq to happen in Iran," he says. "Accordingly, before sanctions of any kind are imposed, we must make every effort to rebuild the peace in the Middle East. That is what is behind my visit to Israel, Palestine and Jordan - and that is what will also take me on a visit to Iran later. After all, the Middle East conflict is not bilateral and does not pertain only to Israel and Palestine. There are other interests in the Middle East, interests which must be represented so that we can find a solution. Iran is part of all this, and therefore someone must talk to them."

Harmony in diversity

The atmosphere in Sao Paulo's Albert Einstein Hospital is somewhat despondent. Built in the mid-1970s, this vast medical institution, which dominates a hill in the prestigious Morumbi district, is considered the largest and most advanced medical center - not only in Brazil but in all of Latin America. The city's Jewish community (80,000 strong, out of 120,000 in the entire country) regards the hospital as its flagship. The institution operates on a nonprofit basis and its every fiber bespeaks giving: Giving to the country that absorbed the members of the community, and giving above all to its downtrodden, many of whom live just a stone's throw from the luxurious villas of Morumbi.

About 80,000 people live in the Paraisopolis favela (shantytown), one of about 500 favelas within a 10-kilometer radius of the hospital. The garbage is piled up on both sides of the streets, the homes are crumbling and sewage flows openly in the streets. Four hundred volunteers from the hospital are working to transform Paraisopolis into a place that will better fit the meaning of its name ("city of paradise"). Hospital staff recently opened a clinic here, and there is an old-age home, enrichment and learning groups, a library, sports facilities and an auditorium. The volunteers distribute condoms and give advice to pregnant girls. There's a colorful cardboard box into which people are asked "to throw all the curse words" they customarily utter every day.

In November 2009, the Jewish community was in an uproar when Lula deliberately chose not to invite its president, Claudio Lottenberg, to a luncheon in honor of a visiting President Shimon Peres. The reason: an article by Lottenberg attacking Lula that had been published in Brazil's largest newspaper, Folha de Sao Paulo.

Now, on the eve of Lula's visit to Israel, the community is playing down the incident. Lottenberg himself says he has "very close relations" with the president. "He makes a point of visiting the community every year on Holocaust Day and on Rosh Hashanah. All told, we have held 22 cordial meetings with him." Lottenberg adds that "Lula is an important rising player in the international arena, and Israel should take account of this. It is important for Israel to have partners and allies besides the United States."

In separate conversations, Brazil's ambassador to Israel, Pedro Motta Pinto Coelho, and his Israeli counterpart in Brasilia, Giora Becher, note that since Emperor Dom Pedro II visited in 1876, no Brazilian head of state has been to the Holy Land. Lula will be the first president to visit. The ambassadors note the "significant improvement" in economic and political relations between the two countries during Lula's term in office, demonstrated by increased cooperation and many visits on the part of high-ranking officials from both sides.

Lula's ambition to make a deep imprint in the Middle East goes beyond his country's international status, to what he describes proudly as "a long Brazilian history of peace and a life of brotherhood in a region of diverse cultures. More than 120,000 Jews live here in full harmony with 10 million Arabs. It would seem that people can learn from us." Brazil terms itself "the world's largest Lebanese country" (some six million of Brazil's Arabs are of Lebanese origin), "the second-largest African country in the world" (after Nigeria), and also the second-largest Italian and Japanese countries. It is a huge blend of peoples and cultures that do not know the meaning of friction.

Message of unity

You'd be hard-pressed to find someone in Rio de Janeiro who hasn't heard of Saara Street, where Jews and Arabs sell clothing, toys and other items side by side. Whenever tension in the Middle East rises, local television crews show up to film the Brazilian version of coexistence. "All Brazilians are brothers," they say - hence their ability, in their view, to bring brotherhood to all other nations.

These days, local TV stations are broadcasting a commercial produced by Bank Itau, which sponsors the Brazilian national soccer team. The camera zooms in on a bustling market, obviously in the Old City of Jerusalem. A 7- or 8-year-old boy is dribbling a soccer ball. He has sidelocks. He dribbles and dribbles until he loses control of the ball, which hits a sack of corn belonging to Arabs and knocks it over. Standing next to the fallen sack is a another boy. An Arab, of course. He looks at the Jew. Everyone falls silent. The viewers are tense, waiting for war to break out. But then the two boys discover they are both wearing the yellow T-shirt of the Brazilian national team. The Arab boy picks up the ball, bounces it and gives it back to the Jewish kid. Then they pass it back and forth. The slogan flashes on the screen: "Itau - uniting cultures through soccer." Cut.

It's the beginning of a beautiful friendship. The same friendship that Lula wants to bring with him on his visit. The same message, naive or not, that he wants to imbue in the conflicted nations.