terça-feira, 6 de outubro de 2009

Qual é a da diretoria da ADURN?

Juro que não entendi. Li com atenção a notícia (clique aí e leia a matéria toda) publicada no site da Associação dos Docentes da UFRN (ADURN) e fiquei cá no meu canto matutando: a diretoria foi solicitar ao Reitor o quê exatamente no que diz respeito à avaliação dos docentes feita pelos alunos? Leia abaixo um trecho da matéria:

"Em seguida, foi tratada a questão da avaliação docente pelo discente, já que a Diretoria tem sido bastante questionada sobre os efeitos dessa avaliação na sala de aula e no trabalho do professor. O Diretor de Política Sindical, Wellington Duarte, asseverou que é necessário um debate mais profundo não apenas sobre a forma e o conteúdo do processo avaliativo, mas também sobre a relação entre essa avaliação e a progressão funcional dos docentes. "

Ok. Vamos discutir o assunto. Discutir é bom, é necessário sempre. Mas, e essa é uma leve suspeita que me vem à cabeça, será que esse posicionamento da diretoria da entidade não joga água no moinho daqueles que querem diminuir ou desqualificar a avaliação feita pelos discentes? Ora, não estou afirmando que a avaliação discente é sempre, e em todas as situações, a melhor tradução do ensino produzido. Muito pelo contrário! Pode ser inclusive o caminho para o tão propalado "pacto de mediocridade". Mas não se pode negar que esse tipo de avaliação impacta positivamente a atividade docente e pode ser tomada como um dado para pensar tanto as práticas pedagógicas quanto a ascensão funcional.

Certamente existem quesitos que merecem um maior aprofundamento. O que fazer, então? Acho que existem pontos na avaliação dos alunos que podem e devem ser levados em conta na progressão funcional (por que não?), como é o caso das faltas dos professores. Outros, muito genéricos, como a avaliação geral do desempenho do professor, precisariam ser analisados com maior cautela.

Há, sem dúvidas, um debate a ser feito sobre a avaliação do trabalho docente pelos discentes. Mas, para ter conseqüências positivas, tal discussão não pode ser balizada pela reação defensiva e corporativista que parece guiar a direção da entidade dos professores da UFRN.

5 comentários:

Dennys Lucas disse...

professor,
Como tem sido: parabéns por colocar este debate na mesa...

Gabriel disse...

Meus parabéns, caro Edmilson, pela crítica! É no mínimo extranha esta atitude da Diretoria da ADURN... Espero que tal atitude não esteja motivada na reiterada avaliação negativa recebida por um dos integrantes dessa Diretoria nestes últimos anos...

Anônimo disse...

Professor,
como estudante tocou-me muito esse assunto. Os alunos também são importantes na vida universitária, não é? E devem ser levados em conta no processo de construção da universidade e porque não leva nossas considerações em conta na avaliação dos professores. eu vejo como um avanço esse processo avaliativo na UFRN. Mais me incomodou o fato de saber pelos corredores que a composição atual da ADURN é justamente formada por professores que ha anos vem recebendo avaliação abaixo de 5 pontos. E o que é pior, essas notas que equivalente a pontualidade, assiduidade, coisas que são o básico da relação professor/aluno. Que na verdade expressão da falta de respeito com os alunos, o curso e a universidade. Penso também na figura do Reitor Ivonildo. Não quero acreditar que ele vá colocar em risco todo o bom trabalho por ele desenvolvido durante sua admistração dando espaço pra esse tipo de coisa.

Anônimo disse...

Eu acho esse tipo de coisa que a diretoria da ADURN está fazendo simplesmente imoral. Quer dizer que a opinião dagente estudante só serve mesmo quando elogia?

Anônimo disse...

Essa diretoria não prometia mudanças. Qual é a diferença desse corporativismo prá aquela do pessoal da ANDES? Por isso não me filio...