sábado, 4 de setembro de 2010

Matéria na Tribuna do Norte

Fui entrevistado por competente jornalista da Tribuna do Norte. A matéria, integrante de uma série destinada a debater assuntos importantes que deveriam estar no cento da disputa eleitoral para o Governo do Rio Grande do Norte, foi publicada quinta-feira, dia 02. Confira abaixo!

Segurança é tratada com demagogia


Temas recorrentes das campanhas eleitorais, como saúde e educação, não estariam completos se neles não estivesse agregado um terceiro e fundamental – segurança pública. Como os demais, este também é problemático. E embora mereça sempre grande atenção do público e dos políticos, os números crescentes da violência e os exemplos incorrigíveis de impunidade mostram que a luta está sendo vencida, pelo menos até agora, pelo adversário.

A questão da segurança pública será tratada durante seminário que será realizado pela UFRN, através da Pró-reitoria de Extensão Universitária, em parceria com a TV Universitária e jornal TRIBUNA DO NORTE, nos dias 14 e 15 deste mês. No dia 20 haverá debate com os candidatos a governador.

Para o professor Edmilson Lopes Jr., do Departamento de Ciências Sociais da UFRN, o problema nacional da (in)segurança está associado à falta de uma política de estado. “Políticas de governo para combater a escalada da criminalidade há muitas, porém, como são descontinuadas, revelam uma crônica fragilidade e impotência”.

Edmilson diz que o tema segurança pública tem produzido um tratamento oportunista e repetitivo. “Assim, as ações são baseadas em respostas pontuais, quando o problema é imensamente complexo e interligado a outros cenários”, afirma. O resultado é a falta de uma política de segurança pública que abrace também as causas e não apenas os efeitos.

O eterno choque entre as culturas Militar e Civil também se reflete no relacionamento entre as polícias. Outra distorção importante, lembra Edmilson, é a ausência de uma prestação de contas à sociedade do que os organismos de segurança vêm fazendo e o resultado dessa produção.

Hoje, é possível monitorar de longe a situação a partir de dados do DATA SUS especificamente sobre a violência, uma vez que esse banco de dados estratifica o número de óbitos por causa violenta e por região. Mas – assegura Edmilson - é difícil ir além disso”, pois a violência oriunda de furtos, roubos e outros tipos de transgressão não aparece.

Para o professor, perguntas continuam sem resposta: qual tem sido a ação do controle legislativo sobre a questão da segurança? Qual o custo do aparelho policial para melhor distribuir os recursos em segurança pública?

“Só respondendo essas, entre outras tantas perguntas, poderíamos cruzar investimentos a indicadores de criminalidade para empreender uma análise consistente sobre como e onde mudar”. O professor diz que o próprio Samu, que atende todo o tipo de ocorrência, poderia fornecer valiosas informações de georeferenciamento da violência – já que as viaturas são monitoradas por GPS – com a finalidade de se calibrar melhor os investimentos em segurança pública por regiões.

“É comum as pessoas se queixarem que moram em bairros violentos que não recebem atenção do policiamento ostensivo e um georeferenciamento ajudaria bastante na distribuição do contingente policial”, diz.

Para Edmilson Lopes Jr., repressão seletiva, busca de resultados não apenas quantitativos mas qualitativos, prestação de contas, um afinamento melhor entre as Polícias Civil e Militar no trabalho de inteligência e menos propostas pontuais que não levam a nada poderiam ajudar muito na batalha que se trata hoje contra o grande mal social da insegurança.

2 comentários:

Luiz Assunção disse...

Grande Edmilson, além da matéria no jornal vi sua entrevista na TV U. Como sempre, com clareza e profundidade vc analisou questões importantes que os governantes deveriam prestar mais atenção. Parabéns. Abraço amigo. Luiz Assunção.

Edmilson Lopes Júnior disse...

Grande Luiz,

brigadão pelo comentário. E pelo acompanhamento...

Um abração,

Edmilson Lopes.